À nuvem

por Júlia da Costa*

Clara nuvem que corres no espaço
Entre um tíbio, mentido esplendor,
Onde vais desvairada e sem norte
Já perdendo o nativo candor?
Qual a ave fugida do ninho,
Qual um beijo ligeiro de amor?

P’ra que climas longínquos te volves
Com tão diva e gentil formosura?
Sobre as asas da brisa levada,
Tão serena, tão lépida e pura?
Inconstante, volúvel, sem pena
De deixar de teu céu a lisura?

Ai! Não corras sem tanto na esfera,
Não despreses teu leito dourado!
Não te atires louquinha nos ares
A seguir esse bafo encantado,
Que de brisa fingindo a doçura
Pode em euro tornar-se enraivado!

Ai! Não queiras subir mais distante,
Que bem alta, bem longe, já estás!
Renegando teu berço, qu’é a terra,
Sobre o berço do céu brincarás!
Mas querendo escolher outro leito
Tênue fumo decerto serás!

Tu celeste não és, és serena,
E portanto não queiras subir!
Vê que quanto mais alto se sobe
Mais se deve temer o cair!
Deixa a louca vaidade, não ouses
Condição mais brilhante exigir!

Não te afunes co’as lúcidas cores
Que te empresta d’aurora o albor!
Ai não julgues que és d’ouro formada,
Que sem raios do sol és vapor:
E tu vales fulgindo no espaço
Quanto vale na terra uma flor!

Ai! Não corras sem tento no espaço!
Não te prenda d’arage’ a fragrância!
Vê que é ela inconstante e traidora
Como os seus companheiros d’infância!
Não desprezes teu leito macio,
Não te atires nos ares com ânsia!

.

*Júlia Maria da Costa (1844 – 1911) foi poetisa e escritora de crônicas-folhetins brasileira. Este poema foi extraído do livro Flores Dispersas – 1ª série.

Anúncios