Entre a Foice e o Martelo: 103 anos de Revolução Russa

por Laluña Machado*

Em outubro de 1917, consolidou um processo revolucionário de 30 anos e um dos principais acontecimentos do século XX e da história contemporânea. Eclodia-se a Revolução Russa. Por 300 anos, o país se viu sob o pulso firme do Império Czarista, o mesmo que levou a nação a dimensões continentais e a várias crises. Nesse contexto, praticamente toda a base econômica do país era derivada de métodos quase feudais, levando o Império a abrir as portas para o capital estrangeiro.

No ano de 1914, o mundo assistiu o estopim da Primeira Guerra Mundial, um episódio que desencadeou um enorme desgaste aos russos com saldo de 1,5 milhão de soldados liquidados pela potência bélica alemã. Além disso, a inflação do país disparou e a produção de alimentos praticamente se anulou. Grandes manifestações de trabalhadores ganhavam fôlego, um clima de resistência tomou conta dos populares, levando ao enfraquecimento do Czar.

Em meados de fevereiro de 1917, a cidade de São Petersburgo vivenciou uma crise de abastecimento que acarretou na implementação de um racionamento de alimentos pelo governo czarista, a ocorrência inflamou uma greve geral que teve adesão de tropas militares do Império e em poucos dias sucedeu a derrubada do Czar Nicolau II. Assim, o Duma (Parlamento Russo) estabelece um governo provisório. Tal governo foi composto por membros da elite e marxistas ortodoxos (Mencheviques) que não ansiavam dos mesmos desejos dos trabalhadores como a reforma agrária, combate a inflação, retirada do país da guerra e retomada do laboro. Sob esse contexto os sovietes continuaram a se organizar em conselhos democráticos e começaram a constituir uma espécie de poder concomitante que foi de total importância para a fixação do socialismo no país.

Campesinos ocuparam terras de latifundiários e os proletários passaram a administrar as produções expedindo os burgueses.

Com novos confrontos, os bolcheviques começaram a assentar as mobilizações dos campesinos e proletários, e em outubro de 1917, com o apoio da população, a Revolução Bolchevique valida-se após o abatimento do governo provisório levando a instauração do governo de Vladimir Lênin.

Prometendo pão, terra e paz, Lênin assumiu o comando da Rússia e um dos seus primeiros atos foi retirar o país da Guerra, posteriormente deu inicio a uma reforma agrária, nacionalizou bancos e estatizou comércios e indústrias. Em 1918, foi criado o Exército Vermelho, um braço opressor do estado para sufocar milícias anticomunistas que eram apoiadas pelo Exército Branco, que, por sua vez, era financiado com capital estrangeiro e alguns mencheviques.

Em 1922, a União Soviética se consolida, resultado da convergência de 15 repúblicas com economia e governo associados à Rússia. Após a morte de Lênin, em 1924, Joseph Stalin toma o poder e faz a união socialista se desenvolver economicamente, apesar do isolamento que os países capitalistas estabeleceram com o “Cordão Sanitário”.

Todavia, o Stalinismo foi marcado por medidas totalitárias e centralizadoras. Com mais de 5 milhões de vítimas divididas entre fuzilamentos, campos de trabalho forçado, exílios e prisões, o governo de Stalin se estendeu até sua morte, em 1953, durante a Guerra Fria.

Dicas de leitura:

A Revolução Russa – Roteiro de André Diniz e Arte de Laudo Ferreira

.

*Laluña Machado é graduada em História pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – UESB, foi uma das fundadoras do Grupo de Estudos e Pesquisas “HQuê?” – UESB no qual também foi coordenadora entre os anos de 2014 e 2018. Do mesmo modo, exerceu a função de colaboradora no Lehc (Laboratório de Estudos em História Cultural – UESB) e Labtece (Laboratório Transdisciplinar de Estudos em Complexidade – UESB). Atualmente é membro do Observatório de Histórias em Quadrinhos da ECA/USP, colaboradora na Gibiteca de Santos e do site Minas Nerds.Sua pesquisa acadêmica tem como foco a primeira produção do Batman para o cinema na cinessérie de 1943, considerando as representações da Segunda Guerra Mundial no discurso e na caracterização simbólica do Homem Morcego. Paralelamente, também pesquisa tudo que possa determinar a formação do personagem em diversas mídias, assim como, sua história e a importância do mesmo para os adventos da cultura nerd. Contato: lalunagusmao@hotmail.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s