Respeita a mulher cansada

por Roberta AR

Acho que peguei COVID em abril. Nunca testei para confirmar por motivos de os sintomas passaram e não queria me expor no posto de saúde. Foram dois dias de uma dor de cabeça que nunca senti daquele jeito na vida, nem antes, nem depois. E uma fadiga colossal. Eu só dormia. Naqueles dias, dor de cabeça nem era sintoma catalogado, mas fiquei com medo, muito. Agora o cansaço, esse podia até ser sintoma (hoje, sabe-se que é e um dos mais frequentes), só que ele tem me acompanhado em suas variáveis intensas faz uns anos.

Ser mulher é ser educada para estar eternamente disposta. Mulher tem que “caçar o que fazer”. “Vagabunda” é a mulher que não faz o que a sociedade exige dela, que faz existir um tempo livre que não seja para o trabalho doméstico. E esse papel é ensinado desde muito jovenzinha. Eu fui criada como força de trabalho doméstico e foi uma grande celeuma familiar eu querer me tornar cientista, algo que nunca se concretizou, porque eu sou mulher e nasci pobre e na favela. Mas isto é conversa para outro dia.

Soma-se a isso a carga mental, que é aquele trabalho de administração da vida que também é colocado culturalmente nas costas das mulheres. O que passa pela lista de compras da casa, vai pelo “não pediu para lavar a louça/roupa” que tá lá suja e segue por inúmeros detalhes grandes (como data dos boletos) e pequenos (como aquela cópia da chave). 

Daí tem a  maternidade, que já começa com um intensivão do cansaço chamado puerpério. Dormir em intervalos de meia hora foi das experiências mais psicodélicas da vida. Esse intervalo foi aumentando com o tempo, mas nunca mais dormi como antes. Foram uns dois ou três anos até a noite ser completa, mas o eterno estado de alerta nunca passou, qualquer gemidinho, eu desperto. Uma sensação de sono acumulado faz anos. E tem os cuidados com a cria, a carga mental que se soma àquela outra, a disponibilidade emocional…

Numa situação de exaustão, ou de recusa mesmo a assumir esse papel, você se rebela. E sofre de imediato as consequências, que podem ser a violência física, numa situação extrema, mas bastante comum, ou a violência psicológica, que é absolutamente banalizada e praticada, também, por pessoas que se dizem libertárias e desconstruídas, mas que certamente não estão atentas ao que fazem no dia a dia. 

Quem é mulher, querendo ou não se encaixar nesses padrões, inevitavelmente já foi constrangida por não estar fazendo o suficiente. “Porque a mulher, do sexo feminino”,  eu ouvi outro dia de uma parente ancestral do meu filho, que falava bem alto para que eu ouvisse. O tom rancoroso, amargo mesmo, dessas mulheres que têm uma vida absolutamente frustrada tentando seguir os requisitos sociais para ser “uma mulher direita”, num sacrifício que nunca é recompensado. Essas mulheres acabam por se tornar fiscais sociais de outras mulheres num lance de “transferir o esporro” e ter seus cinco minutos de poder abusador nas mãos. Muitas vezes isso é feito de forma meio inconsciente, mas na maior parte das vezes existe o sadismo de quem sofre e quer dar algum sentido a esse sofrimento, mas que não pode ser transformado em revolta (mas deveria).

O controle do corpo, do ócio, do desejo, da potencialidade no ambiente familiar pode ser absolutamente brutal. A pesquisadora Geni Nuñez se dedica a falar sobre nossas relações sociais moldadas pelo pensamento colonial e tem uma percepção bastante pontual dessa parentalidade violenta: “A mensagem que as famílias passam muitas vezes é: quando você exerce sua autonomia, de modo saudável, isso me faz sofrer e se me faz sofrer e você sabe disso, então você é um mau filho, ingrato. Além da ameaça (por vezes concretizada) de retirada de moradia, alimentação, também há outra tão impactante quanto: a retirada do amor. Que a gente possa se fortalecer para cada vez mais reduzir os danos deste amor familiar abusivo, que só promete permanência se a coerção for concretizada. E que mais tarde a gente tenha forças para não repetir estes ciclos com as pessoas que amamos.” 

Aos cansaços todos impostos e com os quais temos que lidar, ainda tem esse da luta sem fim de fincar o pé e não baixar a cabeça, porque nos querem curvadas. Meu pai dizia sempre que iria me “fazer curvar”, não conseguiu nesta vida. E todo dia essa luta se renova e se mostra necessária onde a gente achava que “tava tudo ganho”. Não tem fim essa merda. Então, quando dizemos que estamos cansadas, respeita, vai.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s