Cegueira bendita

por Florbela Espanca* Ando perdida nestes sonhos verdesDe ter nascido e não saber quem sou,Ando ceguinha a tatear paredesE nem ao menos sei quem me cegou!Não vejo nada, tudo é morto e vago…E a minha alma cega, ao abandonoFaz-me lembrar o nenúfar dum lago´Stendendo as asas brancas cor do sonho…Ter dentro d´alma na luz de … Continue lendo Cegueira bendita

Consolo Supremo

por Auta de Souza* Os tristes dizem que a vidaÉ feita de dissaboresE a alma verga abatidaAo peso das grandes dores. Não acredito que sejaAssim como dizem, não…Ai daquele que desejaViver sem uma ilusão! Se há noites frias, escuras,Também há noites formosas;Há risos nas amarguras;Entre espinhos nascem rosas. E rosas também cobriramO lenho santo da … Continue lendo Consolo Supremo