O Facada e suas publicações de domínio público

por Roberta AR O Facada X foi criado para ser um espaço de livre difusão, quando a internet se tornou um lugar de trocas de fácil acesso. Um dos ideais é o do conteúdo de qualidade sem custo, por isso é um zine eletrônico com licença Creative Commons. Em certo momento, decidimos começar a publicar … Continue lendo O Facada e suas publicações de domínio público

Como uma criança antes de a ensinarem a ser grande

por Alberto Caeiro* Como uma criança antes de a ensinarem a ser grande, Fui verdadeiro e leal ao que vi e ouvi. . * Alberto Caeiro é um heterônimo do poeta português Fernando Pessoa, considerado um dos maiores poetas da Língua Portuguesa e da Literatura Universal.

As bolas de sabão que esta criança

por Alberto Caeiro* As bolas de sabão que esta criança Se entretém a largar de uma palhinha São translucidamente uma filosofia toda. Claras, inúteis e passageiras como a Natureza, Amigas dos olhos como as cousas, São aquilo que são Com uma precisão redondinha e aérea, E ninguém, nem mesmo a criança que as deixa, Pretende … Continue lendo As bolas de sabão que esta criança

Apostila

por Álvaro de Campos* Aproveitar o tempo! Mas o que é o tempo, que eu o aproveite? Aproveitar o tempo! Nenhum dia sem linha… O trabalho honesto e superior… O trabalho à Virgílio, à Mílton… Mas é tão difícil ser honesto ou superior! É tão pouco provável ser Milton ou ser Virgílio! Aproveitar o tempo! … Continue lendo Apostila

Aniversário

por Álvaro de Campos* No tempo em que festejavam o dia dos meus anos, Eu era feliz e ninguém estava morto. Na casa antiga, até eu fazer anos era uma tradição de há séculos, E a alegria de todos, e a minha, estava certa com uma religião qualquer. No tempo em que festejavam o dia … Continue lendo Aniversário

O quê? Valho Mais que uma Flor

por Alberto Caeiro*   O quê? Valho mais que uma flor Porque ela não sabe que tem cor e eu sei, Porque ela não sabe que tem perfume e eu sei, Porque ela não tem consciência de mim e eu tenho consciência dela? Mas o que tem uma coisa com a outra Para que seja … Continue lendo O quê? Valho Mais que uma Flor

Cada Coisa

por Ricardo Reis* Cada coisa a seu tempo tem seu tempo. Não florescem no inverno os arvoredos, Nem pela primavera Têm branco frio os campos. À noite, que entra, não pertence, Lídia, O mesmo ardor que o dia nos pedia. Com mais sossego amemos A nossa incerta vida. À lareira, cansados não da obra Mas … Continue lendo Cada Coisa

Acho tão natural que não se pense

por Alberto Caeiro* Acho tão natural que não se pense Que me ponho a rir às vezes, sozinho, Não sei bem de quê, mas é de qualquer cousa Que tem que ver com haver gente que pensa Que pensará o meu muro da minha sombra? Pergunto-me às vezes isto até dar por mim A perguntar-me … Continue lendo Acho tão natural que não se pense

Poema em linha reta

por Álvaro de Campos* Nunca conheci quem tivesse levado porrada. Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo. E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil, Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita, Indesculpavelmente sujo, Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho, Eu, que tantas vezes tenho sido ridículo, … Continue lendo Poema em linha reta

Alberto Caeiro

por José Feitor * . Estas verdades não são perfeitas porque são ditas Alberto Caeiro Estas verdades não são perfeitas porque são ditas. E antes de ditas pensadas. Mas no fundo o que está certo é elas negarem-se a si próprias. Na negação oposta de afirmarem qualquer cousa. A única afirmação é ser. E ser … Continue lendo Alberto Caeiro