Cegueira bendita

por Florbela Espanca* Ando perdida nestes sonhos verdesDe ter nascido e não saber quem sou,Ando ceguinha a tatear paredesE nem ao menos sei quem me cegou!Não vejo nada, tudo é morto e vago…E a minha alma cega, ao abandonoFaz-me lembrar o nenúfar dum lago´Stendendo as asas brancas cor do sonho…Ter dentro d´alma na luz de … Continue lendo Cegueira bendita

Um que vendeu a sua alma

por Lima Barreto* A anedota que lhe vou contar, tem alguma cousa de fantástica e pareceria que, como homem de meu tempo, eu não devia dar-lhe crédito algum. Entra nela o Diabo e toda a gente de certo desenvolvimento mental está quase sempre disposta a acreditar em Deus, mas raramente no Diabo. Não sei se … Continue lendo Um que vendeu a sua alma

A criança que pensa em fadas

por Alberto Caeiro*A CRIANÇA que pensa em fadas e acredita nas fadasAge como um deus doente, mas como um deus.Porque embora afirme que existe o que não existeSabe como é que as cousas existem, que é existindo,Sabe que existir existe e não se explica,Sabe que não há razão nenhuma para nada existir,Sabe que ser é … Continue lendo A criança que pensa em fadas

Gupeva

por Maria Firmina dos Reis* I Era uma bela tarde: o sol de agosto animador e grato declinava já seus fúlgidos raios; no ocaso ele derramava um derradeiro olhar sobre a terra e sobre o mar que, a essa hora mágica do crepúsculo, estava calmo e bonançoso, como uma criança adormecida nos braços de sua … Continue lendo Gupeva

Sanka

por Antonio Souza* Tudo é destruição, tudo é solidão, tudo não passa de um arremedo de vida. Mas o que importa? Apenas os deuses, apenas eles podem dizer que vivem. O deus Sanka, destruidor de vários mundos, chegou-se à janela de seu palácio e percebeu que a destruição que causara não traria nenhum benefício ao … Continue lendo Sanka