Podcast e videocast: Facada X em outras mídias

por André Rafaini Lopes

Quinze anos de Facada… e vou aproveitar para registrar aqui, oficialmente todo o mérito da minha querida editora-amiga-irmã Roberta AR. Às vezes temo levar crédito por essa obra que é muito, muito, fruto da visão e empenho dela! Tá… eu não fui pautado para ficar jogando confete: hoje é dia de podcast e videocast, bebê.

Pois então, ao longo desses anos, a Roberta conseguiu criar um cantinho de liberdade e criatividade… E, mais do que isso, preservou a independência do nosso zine. Tá, chegou a hora de eu entrar na história. Estive no começo do Facada… meu primeiro texto ainda está lá… Quatro de outubro de 2005. Caramba… Olhando a timeline das minhas contribuições, confesso que ainda bate um certo peso na consciência pelas enormes lacunas que deixei. Como um pai ausente, aparecia uma… duas vezes ao ano para ver a cria. Postava alguma coisinha… e sumia. Aí quando o rebento estava taludo, eu voltei pra ficar – rs…

E a amizade e o contato com a Roberta nunca cessou. Muito menos a admiração pelas posturas dela… pela história dela… pela cultura dela… 

Acho que dá para estimar que esse meu retorno, se deu há cinco anos… Naquela época, o Facada estava comemorando sua primeira década. Não sei porque cargas d’água eu tinha um gravador de áudio todo emperequetado e foi com ele e com o Skype que fizemos sete edições do Facadacast! Seis delas estão no ar e podem ser ouvidas aqui. Ainda tem uma sétima que ficou sem finalizar, mas está toda captada! Será que um dia a gente finaliza o episódio perdido?

Eu sempre odiei a minha voz… e a minha gagueira que às vezes aparece… mas o ambiente do Facada era tão seguro que meti as caras! Tivemos conversas incríveis… Infelizmente, por minha alta inexperiência, não consegui manter o ritmo de edição e o podcast entrou em hiato!

Mais um tempinho se passou e a febre do audiovisual não passou… Fiquei matutando uma forma de trazer conteúdo em vídeo que não desse trabalho para editar e matei a charada: celular! Gravar e montar usando um aplicativo do celular… coisa que poderia fazer rapidinho, sem um computador que exigisse cortes de câmera… sincronização de áudio… muitos efeitos especiais…

Nesse tempo eu tava na febre dos jogos de tabuleiro! A vontade de falar era tanta que me joguei na frente da câmera! Aí tive que vencer todas as barreiras da timidez para me expor! Culpa também do ambiente seguro do Facada! Gravava takes únicos para a introdução, para o jogo montado na mesa e para as conclusões finais! No celular, colocava só uma vinhetinha produzida em outro app gratuito e compilava os takes em ordem!

Hoje temos quase 80 vídeos no canal! Alguns até que comecei a explorar outros assuntos… como jogos eletrônicos, música e histórias em quadrinhos… Aliás, quero começar a produzir mais sobre HQs! 

Uma curiosidade: minha experiência no Facada foi que me encorajou a criar vídeos para meu trabalho oficial! E isso me abriu uma estrada imensa para que eu crescesse e me especializasse ainda mais na produção audiovisual! 

E o Facada também ganhou com isso… acho… O trabalho com vídeo me colocou em contato com profissionais espetaculares e muuuuuuuito mais experientes que eu! E isso possibilitou retroalimentar o coletivo. Meus vídeos ganharam uma edição melhor (agora feitas no Premiere) e melhor som! 

Que venham mais 15 anos de Facada!

Ouça nosso PODCAST clicando aqui
Veja nosso VIDEOCAST clicando aqui

Quinze anos de Facada X

por Roberta AR

Criado como um espaço livre para publicar, por mim e pelo André, o Facada sempre esteve aberto aos nossos amigos e a pessoas que se aproximaram para trocas interessantes. Começamos um ano depois do lançamento do orkut, que ainda era fechado apenas para convidados,  então muito do que foi postado no início deste deste zine eletrônico tem a cara de publicação comum das redes sociais de hoje. Para muita gente, foi a primeira experiência publicando despreocupadamente na internet, alguns até começaram seus próprios blogs depois. Hoje, ainda somos espaço para reflexões, trabalhos autorais, resenhas, e, mais recentemente, listas. E tudo isso está aqui nos nossos arquivos. Ao abrir nossa conta no instagram, nesses tempos de redes muitas, vi que chegamos aos QUINZE ANOS!

É muito tempo desde que criamos o ainda Facada Leite-Moça, um nome aleatório retirado de uma música de Fausto Fawcett, e que acho que foi o nome deste espaço por pelo menos a metade da sua existência. Como somos dinossauros da internet, ainda somos fruto do idealismo do conteúdo livre e compartilhado, por isso decidimos ser um espaço não monetizável e colocamos nossas publicações em licença Creative Commons.

O que nunca fizemos, nesta longa trajetória, foi organizar em um único post todo mundo que já passou por aqui. Não tínhamos feito, porque está aqui agora, os convidados todos para nossa festa de debutante. Além de mim, Roberta AR, e do André Rafaini Lopes, temos esta longa lista. Clique no nome para ver o conteúdo disponível:

Adriano de Almeida

André Francioli

André Gonzales

Antonio Netto

Antonio Souza

Biu

Bruno Azevêdo

Caio Gomez

Casa Locomotiva

Carla Lisboa

Carlos Dowling

Chapamamba

Cicinho Filisteu

Clara do Prado

Cláudo Parentela

DigóesX

Diogo Brozoski

Edgar Raposo

Érica Pierrobon

Evandro Esfolando

Everaldo Maximus

Felipe Marinho

FErio

Fernando Vasconcelos

Flávia Diab

Francisco Zenio

Gabriel Góes

Gabriel Mesquita

Igo Estrela

Jamile Vasconcelos

Juh Oliveira

Juliana Bolzan

Laluña Machado

Lauro Montana

Lilian Sampaio

Luciano Vitoriano

Luda Lima

Maurício Patiño

Mauro Castro

Michel Aleixo

Os Haxixins

Pedro Elias

Rafael Zolis

Raul Córdula

Sebastião Vicente

Stêvz

Thelma Ramalho

Tiago Penna

Túlio Flávio

Valdez

Zefirina Bomba

Facada 77 – Yin-Yang (Boardgames)

Esse é imperdível. De longe,Yin-Yang/Reversi/Othello é um dos jogos mais elegantes, divertidos e fáceis de ser aprendido da história da humanidade desse lado do universo quântico. Cheio de viradas e provocações, esse é mais um exemplo incrível de jogo abstrato!

Facada 76 – Abalone (Boardgames)

Pensa um joguinho estratégico. Nesta edição explicamos um pouco o conceito de jogo abstrato enquanto apresentamos o Abalone! A ideia é empurrar as bolinhas do adversário para fora do tabuleiro. E isso não é tão fácil quanto parece!

Facada 75 – BENDITA CURA – RESENHA (HQ)

Ainda na sombra do Dia Internacional de Combate à LGBTQIA+fobia, o Facada traz uma resenha da contundente – e necessária – HQ de Mário César: Bendita Cura.

Facada 72 – Cathedral (Boardgames)

Dorimeeeeeeeeeee… Em Catehdral, os jogadores competem por espaço. As belíssimas peças de madeira se encaixam para bloquear territórios. Ganha quem ficar com menos pedras fora!

Facada 71 – Era: Idade Medieval (Boardgame)

Crie sua própria cidadela medieval e aprenda a driblar pestes e ataques de reinos vizinhos! Esse é Era: Idade Medieval, um jogo de construção e rolagem de dados!

Facada 70 – Abstratus (boardgames)

O jogo de hoje é uma experiência sensorial e artística! O desafio em Abstratus é traduzir palavras em esculturas de madeira! Assista e tente adivinhar uma de minhas “obras de arte”! Vou deixar o resultado na descrição do vídeo no YouTube!

Facada 69 – Mancala (Boardgames)

Hoje você conhece um jogo dos primórdios da civilização! Mancala pode ser jogado com um tabuleiro ou mesmo com simples buracos no chão e pedrinhas!

Facada 67 – No, Thanks! (Boardgames)

Esse é um jogo quase despretensioso, mas que pode ser bastante estratégico na mesa certa. Regras fáceis e boa interação entre os jogadores! Jogo também muito bom para famílias com crianças!

Ah… e um detalhe que pensei ter explicado… e não o fiz! A mesa pode definir quantas rodadas são feitas para definir o placar. Por isso, as partidas podem ser rapidinhas ou até mais longas!

Facada 66 – Rory’s Story Cubes (Boardgames)

Conheça Rory’s Story Cubes, um jogo de contação de histórias, com regras simples e extremamente divertido para crianças! E o melhor: as caixinhas são fáceis de serem encontradas… e em preços bem acessíveis!

Facada 64 – Zombie Tsunami (unboxing)

Em primeira mão, o unboxing da versão kickstater de Zombie Tsunami! O jogo é inspirado no game de smartphone em que você controla uma horda de zumbis!

Facada 62 – The Grizzled

Cooperativo que te leva para as trincheiras da Primeira Guerra Mundial. Ombro a ombro, os jogadores precisam descobrir a paz… e driblar as marcas que os horrores da violência deixam no corpo e na mente.