Facada 55 – Full Throttle Remastered (PS4)

Sempre que penso em Full Throttle, penso em duas coisas: asfalto… e encrenca! Depois de 22 anos, com gráficos e sons atualizados, Ben volta a correr com sua moto nesse jogo mais do que nostálgico! Já vou avisando… o jogo travou bem no finalzinho, mas só a abertura já ajuda a dar aquela aquecida no coração!

Facada 54 – Tinco e pedido de ajuda

Grita que tá pouco! Tinco tem a mecânica básica do jogo Porco (baralho), mas as trocas são feitas todas ao mesmo tempo! Diversão na certa.
A edição conta também com um pedido de ajuda ao pessoal do Além do Muro, que está buscando apoiadores para continuar oferecendo – de graça – um dos mais importantes encontros de boardgames de São Paulo.

Saiba mais sobre a campanha: www.padrim.com.br/alemdomuro

Facada 53 – Virginia (PS4)

Conheça um game que inova na narrativa, trazendo para os consoles a a linguagem do cinema. Em Virginia, controlamos uma detetive e, sem palavras, acompanhamos pelos olhos dela o desenrolar da história.

Facada 52 – Unboxing K2 (boardgame)

Desencaixotamos K2, um jogo que passa a experiência de escalar uma das maiores montanhas do mundo!

Pinturas de Marianne von Werefkin

por Marianne von Werefkin*

10306083_1436310336653851_7983976472739603554_n
Selbstbildnis I (Self-Portrait I), 1910

 

10372845_1447272632224288_534900113306102474_o
Washerwoman, 1909
10431164_1436319916652893_286441619158821953_o
Ameisenhaufen, 1916

 

10452979_1436678143283737_9184433167530474309_o
Bahnhof Prerow (aka Dünenlandschaft), 1911

 

10497949_1452705191681032_681224838077377539_o
Schnee über Nacht, 1918

 

10517302_1437216833229868_3281943885460861556_o
Im Theater I (In the Theatre I), 1906-07

 

10531311_1436687293282822_5503379920996926829_o
In die Nacht Hinein, 1910

 

10551450_1452672445017640_6189035304883411140_o
Fishermen, s.d.

 

10649028_1471517723133112_599515277487750092_o
Gespräch im Café, 1909

 

11336924_1598100300474853_6631999009362504277_o

Zwei Kinder vor Litfasssäule ‘Grand Cirque’, 1930

 

11934484_1630591577225725_2784499747161772976_o
Nuit Fantastique, 1917

 

16107339_1837584343193113_2835773963886111113_o
Circus (Before the Performance), 1911

 

16143714_1837584626526418_2989692409893851851_o
Der Krämer (Der einsame Weg), 1910

 

17388794_1867110036907210_7620019349793617314_o
Der Tänzer Alexander Sacharoff, 1909

.

*Marianne von Werefkin (em russo Марианна Владимировна Верёвкина, Marianna Vladimirovna Verëvkina; 1860 – 1938) foi uma pintora expressionista.

Facada 51 – Feedback e agradecimentos

Os comentários de hoje são sobre Imhotep e Santorini, os dois últimos jogos que fizemos unboxing. Há também espaço para o engraçadíssimo Pablo, que ganhei em sorteio do Além do Muro, encontro bimestral de boardgames que rola em Jundiaí/SP. Os agradecimentos, claro, são para Além do Muro e a incrível Aurora, do canal Na Mira, que nos acompanha semanalmente e faz um material incrível sobre lançamentos dos jogos portugueses!

[https://youtu.be/NbW7CrrHMKY]

A ditadura do trabalho morto

por Grupo Krisis*

Um cadáver domina a sociedade – o cadáver do trabalho. Todas as potências do globo estão coligadas em defesa desta dominação: o Papa e o Banco Mundial, Tony Blair e Jörg Haider, sindicatos e empresários, ecologistas alemães e socialistas franceses. Todos eles só têm uma palavra na boca: trabalho, trabalho, trabalho.

Cada um tem que poder viver do seu trabalho, reza o princípio em vigor. Poder viver é, portanto, algo que está condicionado pelo trabalho, e não há direito à vida onde esta condição não estiver preenchida.

Johann Gottlieb Fichte

Fundamentos do Direito Natural segundo os Princípios da Doutrina da Ciência, 1797.

Quem ainda não desaprendeu de pensar reconhece sem dificuldade a inconsistência desta posição. Porque a sociedade dominada pelo trabalho não vive uma crise transitória, antes está chegada ao seu limite último. Na sequência da revolução microelectrônica, a produção de riqueza desligou-se cada vez mais da utilização da força de trabalho humano – numa escala até há poucas décadas apenas imaginável na ficção científica. Ninguém pode afirmar com seriedade que este processo voltará a parar, e muito menos que possa ser invertido. A venda dessa mercadoria que é a força de trabalho será no século XXI tão promissora como foi no século XX a venda de diligências. Porém, nesta sociedade, quem não consegue vender a sua força de trabalho torna-se «supérfluo» e é atirado para a lixeira social.

Quem não trabalha, não come! Este princípio cínico continua em vigor, hoje mais do que nunca, precisamente porque está a tornar-se irremediavelmente obsoleto. Trata-se de um absurdo: a sociedade, nunca como agora, que o trabalho se tornou supérfluo, se apresentou tanto como uma sociedade organizada em torno do trabalho. Precisamente no momento em que está a morrer, o trabalho revela-se uma potência totalitária que não tolera nenhum outro deus junto de si. Dentro da vida psíquica, dentro dos poros do dia a dia, o trabalho determina o pensamento e os comportamentos. E ninguém poupa despesas para prolongar artificialmente a vida desse ídolo, o trabalho. O grito paranoico dos que clamam por «emprego» justifica até que se aumente a destruição dos recursos naturais, com resultados há muito conhecidos. Os últimos obstáculos à total comercialização de todas as relações sociais podem ser postos de lado, sem qualquer crítica, na mira de meia dúzia de miseráveis «postos de trabalho». E a ideia de que é melhor ter um trabalho «qualquer» do que não ter nenhum trabalho tornou-se uma profissão de fé universalmente exigida.

Quanto mais se torna claro que a sociedade do trabalho chegou definitivamente ao fim, mais violentamente se recalca este fato na consciência pública. Por diferentes que possam ser, porventura, os métodos de tal recalcamento, têm um denominador comum: o fato, mundialmente constatável, de o trabalho se revelar irracional enquanto fim em si mesmo, de ser algo que se tornou a si próprio obsoleto, é transformado, com a obstinação típica de um sistema delirante, em fracasso pessoal ou coletivo dos indivíduos, das empresas ou de certas «localizações» geográficas. As limitações, que objetivamente são do próprio trabalho, devem passar por problema subjetivo dos excluídos.

Enquanto para uns o desemprego se deve a reivindicações exageradas, à falta de disponibilidade ou de flexibilidade, outros acusam os «seus» gestores e políticos de incompetência, de corrupção, de ganância ou de traição a determinadas regiões. Mas, ao fim e ao cabo, toda essa gente está de acordo com o ex-presidente da Alemanha, Roman Herzog: seria preciso um «abanão» em todo o país, exatamente como se o problema fosse idêntico à falta de motivação de uma equipe de futebol ou de uma seita política. Todos devem, «de uma forma ou de outra», agarrar-se ao remo com força, mesmo que o remo tenha desaparecido há muito, e todos devem, «de uma forma ou de outra», pôr mãos à obra, mesmo que já não haja nada para fazer (ou só coisas sem sentido). O subtexto desta mensagem triste é inequívoco: aquele que, apesar da sua aplicação, não obtiver as boas graças do ídolo trabalho é responsável por essa situação, e não tem que haver problemas de consciência em abatê-lo ao ativo ou pô-lo na rua.

E esta mesma lei, que dita o sacrifício do homem, vigora em escala mundial. Uns após outros, países inteiros vão sendo triturados pela engrenagem do totalitarismo econômico, comprovando sempre o mesmo: pecaram contra as chamadas leis do mercado. Quem não se «adaptar» incondicionalmente e sem reservas ao curso cego da concorrência total será punido pela lógica da rentabilidade. Os que hoje são promissores serão a sucata econômica de amanhã. Mas os psicóticos econômicos dominantes nem por isso se deixam abalar minimamente na sua bizarra explicação do mundo. Três quartos da população mundial foram já declarados, em maior ou menor medida, lixo social. As «localizações» privilegiadas desaparecem em queda d’água. Depois do desastre dos «países em vias de desenvolvimento», do Sul, e depois dessa secção da sociedade mundial do trabalho que era o capitalismo de Estado, no Leste, são os alunos exemplares da economia de mercado do Sudeste asiático que desaparecem no inferno das falências. E também na Europa alastra há muito o pânico social. Mas, na política e na gestão, os respectivos cavaleiros-da-triste-figura limitam-se a prosseguir, cada vez com mais raiva, a sua cruzada em nome do ídolo trabalho.

(Este é o primeiro capítulo do texto Manifesto Contra o Trabalho. Leia a íntegra neste link)

.

*Krisis  é uma revista política e crítica do grupo capitalismo cujo principal foco é uma crítica teórica da “sociedade de consumo” (crítica do valor).

A revista existe desde 1986 (até 1989 sob o nome de “crítica marxista”). A última edição de impressão (no. 33) apareceu em 2010. Desde 2013 Novos produtos em intervalos irregulares só são publicadas no site.