Distopia pra quem? 100 anos de Asimov, robótica e questões raciais

por Juh Oliveira*

Após a leitura de algumas obras de distopia, de obras e influências de Asimov, principalmente quanto à robótica, e também da obra “O mal estar na civilização”, de Freud, tenho algumas considerações pessoais que podem nos levar a outras óticas sobre o que tememos sobre o futuro. Quero refletir com vocês sobre algumas questões.

Primeiramente, a ideia sobre futuro que sempre existiu e que ao chegarmos no ano 2020 imaginávamos ser realidade: carros voadores, roupas metalizadas, serviços robotizados para todas as ocasiões e, numa visão pessimista, o fim dos recursos naturais e desigualdade social alarmante. Como costumo dizer em aula, pensávamos que íamos ter tudo isso e o que temos é um retorno a elementos e ideologias da era medieval, infelizmente.

O que lemos nas distopias nos parece próximo da realidade e as questões sociais a cada dia nos aproximam dessas narrativas que quando eram só literatura nos amedrontavam. E, quando lemos sobre robótica e relações humanas nas obras de Asimov, que nos fazem repensar na relação humanidade-robôs e em suas 3 leis que norteiam esse vínculo (ou até mesmo uma quarta lei), notamos certa positividade quanto a este futuro – bem diferente das distopias. Humanidade e máquinas vivendo em harmonia, com questões morais mais definidas e poucas preocupações e tristezas.

Importante pontuar aqui: diante do genocídio da população negra, da matança das pessoas LGBTQIA+, do aumento do feminicídio e das denúncias de diversas violências sofridas por pessoas consideradas minorias (mesmo sendo maioria em número) nossa análise das utopias e distopias em 2020 vai seguir com esses recortes, para que a pessoa dentro do padrão compreenda que o que é um grande medo do que pode acontecer, já é realidade na nossa vida desde muito tempo. A vinda dos “novos tempos” não trouxe consigo melhoras para os nossos.

Ao analisar as obras de Asimov, que faria 100 anos em janeiro de 2020, tive um desconforto ao ler sobre a relação entre seres humanos e robôs pois me pareceu muito próximo à questão da escravidão. Antes que me venham com um “descansa militante”, só me fazendo compreender aqui: as leis sobre robótica de Asimov pautam a ação dos robôs quanto a seus donos e suas funções para com eles, e elas se assemelham muito aos patamares sociais que infelizmente ainda temos quando comparados às camadas ricas e dentro do padrão.

Os personagens das obras de Asimov estão na busca constante de felicidade e contam com o trabalho dos robôs para que as tarefas menos honrosas ou mais cansativas sejam realizadas por eles enquanto têm seu lazer e experiências boas na vida. Ao ler a obra de Freud, é possível atrelar essas narrativas à constante busca de satisfação dos prazeres dos seres humanos “do futuro”, bem como sua insatisfação com a civilização e os amortecedores de preocupações como escape às infelicidades.

“O trabalho dignifica o homem”. O mesmo ditado que o burguês diz para seu empregado não é colocado em prática por ele, que explora o trabalhador e aproveita da vida repleta de privilégios. E qual o pesadelo de futuro para ele? Não existir sua mão de obra barata. E sua expectativa quanto a esse tempo a vir? Que robôs tomem os postos de trabalho e produzam mais e em menor tempo, com custos bem mais baixos e lucros bem altos.

Entende onde quero chegar com esta análise? Vou racializar um pouco mais aqui, ok?

Algumas pessoas criticaram quando a série “Dear White People”, na 3ª temporada, criticou a série “The Handmaid´s Tale”, ironizou o feminismo branco e jogou luz na problemática que as pessoas negras são escanteadas na trama distópica, que tem uma heroína branca a salvar todas as mulheres da opressão masculina. Mulheres brancas em perigo num futuro distópico vivem o que as negras já sofrem há séculos. Vamos pensar um pouco: na obra “Kindred”, de Octavia Butler, a personagem negra se vê aterrorizada quando volta ao período escravocrata e seus horrores. Seu temor é não poder ter suas liberdades e na trama o companheiro branco não está ali só para ser par romântico e sim como um livramento de algumas situações, em que ele tem que se colocar como dono dela. Não preciso contar muito da história para vocês entenderem.

Nas utopias e distopias que cercam o 2020 de todas e todos nós, acompanhamos muitas coisas acontecendo que lá atrás Asimov e outros autores ilustres da ficção científica previram: os benefícios e avanços científicos, as consequências sociais e para a natureza vindos destes, os governos totalitários e também a era das máquinas, os setores privilegiados e os sem acesso. Tudo isso e muito mais presentes na busca pela felicidade e satisfação dos prazeres, na divisão entre trabalho de humanos e trabalho das máquinas, na sociedade branca e suas questões versus sociedade negra e suas aflições.

Mas seria possível uma narrativa diferente da que vemos e questionamos nessa visão de futuro utópica/distópica? Depois da análise de tantas referências de futuro, o 2020 de quem não faz parte do grupo de pessoas privilegiadas tem alguma opção de protagonismo positivo em suas histórias? Há um gênero literário chamado afrofuturismo que acredito ser um oásis no deserto. Com ele, é possível pensar que existiremos e resistiremos em meio a tudo isso com alegria e riqueza. Nos dá esperança e minimiza o medo destes tempos. Protagonizamos nossas vidas e escolhas, somos donos de tecnologia avançada e não precisamos reivindicar espaço para a nossa importante ancestralidade. O futuro é nosso e é agora!

 

Quebrada fortalece quebrada: Deixo aqui uns links importantes pra você ler e saber mais sobre AFROFUTURISMO

https://www.geledes.org.br/dossie-afrofuturismo-saiba-mais-sobre-o-movimento-cultural/

Lu Ain Zaila, uma autora afrofuturista talentosíssima: https://brasil2408.com.br/

Fabio Kabral, autor afrofuturista com obras incríveis: https://medium.com/@ka_bral/afrofuturismo-o-futuro-%C3%A9-negro-o-passado-e-o-presente-tamb%C3%A9m-8f0594d325d8

.

*Juliana de Oliveira (@ilujauosue) é formada em História pela UNISA e em Ciências Sociais pela UNIMES, e cursos de extensão em Ciências Humanas pelo IICS e de Quadrinhos em Sala de Aula pela Fundação Demócrito Rocha. Atua como professora há 10 anos, trabalhando na rede municipal de São Paulo. É produtora de conteúdo de cultura pop, geek e nerd para sites do nicho e também apresenta o programa Live Pop Geeks na Rádio Geek às terças-feiras 20h.

 

Facada apresenta Dany, Jaipur e Arraial (Boardgames)

Estamos de volta!!!

E, para começar vamos apresentar três jogos inéditos no Brasil! São achados da loja Zacatrus!, de Sevilha!

A sociologia na Gotham City de Christopher Nolan

por Laluña Machado*

Nos primórdios da minha pesquisa de TCC, momento em que eu realmente me aprofundei no universo do Homem Morcego, eu comecei a me questionar sobre certos aspectos da formação do Batman e de todo o contexto no qual Gotham se apresenta (sempre). Com leituras teóricas, observando melhor os quadrinhos, levando outros filtros de interpretação para os filmes, analisando melhor as mudanças de discurso de acordo ao contexto de produção e a mídia na qual ele estava inserido, eu comecei a me perguntar: Gotham que precisa do Batman ou Bruce Wayne que precisa do Batman?

Levando em consideração toda a mitologia e o universo ficcional que compõem o Cruzado Encapuzado, é meio difícil responder isso de forma concreta. Sobretudo, porque é um personagem que fará 80 anos em 2019, que foi adaptado por vários meios de comunicação e isso influência (e muito) no que ele representa naquele momento. Porém, quando separamos certas produções ou arcos narrativos podemos chegar a conclusões inquietantes. Foi o que eu senti quando vi a trilogia de filmes do Nolan pela 234233543 vez, mas agora eu tinha outros filtros de interpretação.

No primeiro filme, Batman Begins (2005), que é uma produção que tem muitas influências do Batman: Ano Um de Frank Miller, o diretor procurou mostrar todo um prólogo da construção de Bruce Wayne/Batman (Christian Bale). Apresentando valores morais, medos, raivas, confusões, sobretudo, a motivação do bilionário em se vestir de preto à noite para pendurar pessoas em prédios, que segundo ele, será para se tornar um símbolo incorruptível. Todavia, parece que o pequeno Bruce passou anos se isentando totalmente da construção social de Gotham, não leva adiante trabalhos comunitários e até de infraestrutura que seu pai Thomas Wayne (Linus Roache) havia aplicado na ilha, como a linha de trem que foi construída por Thomas que ainda ressalta: Gotham sempre foi boa para nós.

Bruce Wayne cresce, some, rouba a própria corporação, é preso, treina, deixa a maior empresa da cidade nas mãos de acionistas com foco em contratos com o governo, e agora, já não se fala mais no legado social do Dr. Thomas Wayne, só há culpa e raiva. Bruce retorna, mas prefere usar a empresa para compor o seu lado em forma de morcego em vez de ser um verdadeiro Wayne e, claro, um gestor.

Em O Cavaleiro das Trevas (2008) as consequências sociais provocadas pela obsessão de Bruce em se vestir de preto à noite se agravam. As Indústrias Wayne é realmente a maior empresa de Gotham, “um império” que não é visto por seu único herdeiro de forma mais atenciosa, com isso, as pessoas que tomam a frente de uma administração que monopoliza praticamente tudo na ilha, consequentemente leva ao sufocamento da livre concorrência e os micros empresários não conseguem se manter, ainda mais considerando uma alta carga tributária que para as Indústrias Wayne não é nada. Além do mais, a corporação também monopoliza mão de obra especializada, ou seja, aquele cidadão que não tem ensino superior ou um técnico e muito menos condições de pagar um, ficará desempregado tanto por não se encaixar no quadro de funcionários Wayne quanto daquele pequeno empreendedor que já não existe mais.

A-Sociologia-em-Gotham-MIS

Em pouco tempo a taxa de desemprego aumenta, algumas pessoas conseguem ir embora da cidade, mas outras não tem a mesma sorte e sem opções se integram a criminalidade e a Máfia que é chefiada por Moroni (Eric Roberts). A Máfia nesse momento precisa se manter hegemônica e para tanto, precisa manter as pessoas “certas” dentro dos poderes legislativo, judiciário e executivo. Pessoas que estão ao lado do agora Comissário Gordon (Gary Oldman) e do Promotor Harvey Dent (Aaron Eckhart) que viria a ser vítima desse sistema de corrupção e se tornaria o Duas Caras. O caos se instala ainda mais em Gotham quando o Coringa (Heath Ledger) ganha poder e notoriedade afirmando que o próprio Batman trouxe a loucura para os gothamitas.

A película chega ao fim dando a entender que o Coringa foi preso no Asilo Arkham, um manicômio que não recupera ninguém e que era liderado pelo Espantalho (Cilliam Murphy), com o Duas Caras servindo como uma espécie de mártir e uma representação de justiça que Gotham nunca teve e o Batman sendo caçado pela GCPD.

Na sequencia com o filme O Cavaleiro das Trevas Ressurge (2012) esse debate se confirma. Após a morte de Harvey e a implementação de uma lei mais rigorosa que não permite condicional para criminosos que se encaixarem nela, tal lei é baseada num imolado que nunca existiu e que aumentou a população carcerária em Blackgate sem dado algum de ressocialização dessas pessoas. Além disso, o Batman se aposenta por 8 anos e Bruce permanece numa reclusão mais um vez, só que agora em uma das alas da mansão Wayne.

A taxa de criminalidade diminui segundo o policial Blake (Joseph Gordon-Levitt), mas as políticas sociais não mudam, principalmente quando se ouve o relato de uma criança do orfanato dizendo que quando ficar maior terá que sair e procurar trabalho, contudo, o único trabalho que há em Gotham nesse momento é nos esgotos. Bane (Tom Hardy) recruta os jovens para posteriormente roubar armamento das Indústrias Wayne, armamento esse, que era utilizado pelo Batman. Até então, a cidade já não precisava do Batman, mas precisa do Bruce. Um Bruce que deveria se preocupar se a Fundação Wayne ainda estava passando as doações para esse orfanato, mas segundo Blake, há tempos que isso não acontecia. E mais uma vez tudo na ilha foge ao controle das autoridades e Bruce “precisa” vestir o uniforme novamente para combater o que poderia ter sido evitado por ele mesmo (mas também não deixo de pensar que se ele resolvesse tudo como Bruce eu não teria material de pesquisa)

Com isso tudo que foi apresentado, eu pergunto novamente: É Gotham que precisa do Batman ou Bruce Wayne que precisa do Batman?

.

*Laluña Machado é graduada em História pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – UESB, foi uma das fundadoras do Grupo de Estudos e Pesquisas “HQuê?” – UESB no qual também foi coordenadora entre os anos de 2014 e 2018. Do mesmo modo, exerceu a função de colaboradora no Lehc (Laboratório de Estudos em História Cultural – UESB) e Labtece (Laboratório Transdisciplinar de Estudos em Complexidade – UESB). Atualmente é membro do Observatório de Histórias em Quadrinhos da ECA/USP, colaboradora na Gibiteca de Santos e do site Minas Nerds.Sua pesquisa acadêmica tem como foco a primeira produção do Batman para o cinema na cinessérie de 1943, considerando as representações da Segunda Guerra Mundial no discurso e na caracterização simbólica do Homem Morcego. Paralelamente, também pesquisa tudo que possa determinar a formação do personagem em diversas mídias, assim como, sua história e a importância do mesmo para os adventos da cultura nerd. Contato: lalunagusmao@hotmail.com

 

Ser artista mulher é…

por Roberta AR

Começa mais um ano, desta vez caminhamos para a terceira década do século XXI, mas algumas práticas antigas permanecem intactas. Explico. Fui olhar algumas listas de melhores quadrinistas do ano passado e “pasmem” (tô sendo irônica, hein), tinha lista de site alternativão com ZERO mulheres. De novo. Sempre. E isso se repete em todas as áreas, ninguém lembra de uma mulher sequer para indicar, muitas vezes nem nós mulheres lembramos. Por isso que estou no quinto ano consecutivo fazendo listas (agora temos aqui no Facada também a categoria LISTA), neste caso especial, uma delas reúne mais de cem quadrinistas, até o momento. E é por esse tipo de coisa que o livro Ser artista mulher é…, da Cris Camargo, tem incomodado tanto por aí.

O livro reúne as tirinhas da série Ser artista mulher é… publicadas em sua página no facebook (https://www.facebook.com/sucodekaiju/), além de compilar os comentários escabrosos que uma mulher que registra experiências pessoais e relatos de outras artistas recebe pelas redes sociais. Sim, o tema é tenso, e o quadrinho trata disso de maneira ferina e divertida, com direito até a Bingo da Discórdia.  Cris Camargo tem levado pedradas por meter o dedo na ferida e acho muito difícil uma mulher ler o livro inteiro sem se identificar com pelo menos uma cena que ela registra.

82511250_2545957285472543_5648925559623778304_n

O livro

cris-camargo-capa-ser-artista-mulher

 

Ser artista mulher é… foi publicado de maneira independente, após uma campanha de financiamento coletivo. É totalmente impresso em cores e pode ser adquirido diretamente com a autora (corra que ela tem poucos exemplares). Entre em contato com a Cris Camargo no facebook ou no instagram.

O prefácio

Eu tive a honra de ser chamada para fazer o prefácio dessa publicação e vou colocar meu texto na íntegra, porque muito do que ia dizer por aqui, já disse por lá:

Ser artista e ser mulher

Trabalhar com artes tem sido cada dia mais difícil por diversos motivos, agora parece que está na moda perseguir artistas com as mais diversas acusações e sabemos que isso acontece porque as artes sempre foram o espaço de questionamento e contraponto ao status quo.

Ser artista independente se tornou o lugar de resistência para muita gente, pois se profissionalizar e viver disso é uma realidade distante para a grande maioria.

Se para os artistas as coisas andam assim e para quem é artista e mulher?

“Ah, lá vem aquele discurso vitimista”, sempre tem um pra dizer. Mas quem é mulher que trabalha em qualquer área (mas qualquer mesmo) sabe bem que tem que gritar muito alto para alguém ver o que ela está fazendo. E olha que a gente tem gritado…

As Guerrilla Girls, grupo de artistas anônimas que expõem o tratamento desigual entre homens e mulheres nas artes, fizeram uma pequena lista (irônica, pelamor) com “As vantagens de ser uma artista mulher”, em que destaco: “trabalhar sem a pressão do sucesso”, “não ter que participar de exposições com homens”, “estar segura que, independente do tipo de arte que você faz, será rotulada de feminina”. Parece que é um discurso antigo, mas isso foi exposto no MASP em 2018.

Enquanto este livro está sendo fechado, está em cartaz uma exposição em um outro museu de SP que pretende ser um grande panorama mundial de quadrinhos, mas é um panorama que tornou as mulheres invisíveis. Não há justificativa possível para panoramas, listas on-line, antologias impressas que serão registros históricos desse tempo e não mostre que nós, mulheres, existimos. NÓS EXISTIMOS.

Quando a Cris me convidou para fazer este prefácio, senti o peso desse manifesto que ela está transformando em livro. Cada uma de suas tiras é o desabafo de muitas artistas, mas que pode ser transposto para muitas outras atividades em que mulheres são ignoradas como autoras, como pensadoras, na sua existência mesma como pessoas que também criam e constroem o mundo em que vivem.

Não somos side-kicks, não estamos aqui para enfeitar lugar nenhum, não somos ajudantes, não queremos estar atrás de ninguém. Não queremos nem ser gostadas (né Cris?). Agora não digam que estar na nossa pele é fácil e que gritamos por pouca coisa, porque, se calamos, nós sumimos.

Ano Bom

por Auta de Souza*

Hoje começa o ano. Na alegria
De nívea pomba quando nasce a aurora,
Deixa, minh’alma, a tua fantasia
Subir, cantando, pelo espaço a fora…

Deixa-a sumir-se além, rompendo gazas,
Subindo em busca de ideais queridos:
Há de trazer nas pequeninas asas
Todo o perfume dos meus dias idos!

Há de trazer o sonho transparente
Da inocência feliz (quanto eu sonhava!)
E o eco virginal da voz dolente
Que o meu sono de arcanjo acalentava.

E o meu sorriso e as minhas esperanças,
Essas ingênuas ilusões de um dia,
Toda essa luz que as almas das crianças
Num raio de luar acaricia…

Que tudo venha sobre mim cantando
O salmo doce da recordação.
Qual se pousesse um luminoso bando
De passarinhos no meu coração…

.

* Auta de Souza (1876 – 1901) foi uma poetisa brasileira da segunda geração romântica (ultrarromântica, byroniana ou Mal do Século), autora de Horto. Escrevia poemas românticos com alguma influência simbolista, e de alto valor estético. Segundo Luís da Câmara Cascudo, é “a maior poetisa mística do Brasil”.

Pinturas de Clara Peeters

por Clara Peeters*

Clara_Peeters_-_Bodegón_(Prado)_02

Clara_Peeters_-_Bodegón_(Prado)_01

Clara Peeters, Stilleven met kazen, brood en drinkgerei, c.1615

Clara_Peeters_-_Stilleven_met_een_slechtvalk_op_zijn_prooi_-_privécollectie_Antwerpen_(frameless)

1544px-Stilleven_met_vissen,_oesters_en_garnalen_Rijksmuseum_SK-A-2111

Clara_Peeters_Stillleben

Clara_Peeters_-_Bloemstilleven_-_Kröller-Müller_Museum_KM_103.173

1524px-Clara_Peeters_-_Mesa_(Prado)_01

1472px-Mesa_(Clara_Peeters)

883px-Still_Life_with_Flowers_and_Gold_Cups_of_Honour_-_Clara_Peeters_-_Google_Cultural_Institute

JVH403594

WLA_lacma_Clara_Peeters_still_life

JVH328715

1593px-Stilleven_met_vis,_Clara_Peeters,_17de_eeuw,_Koninklijk_Museum_voor_Schone_Kunsten_Antwerpen,_834

Clara_Peeters._Bodegon_con_alcachofa,_cangrejos_y_cerezas,_c.1618._Oil_on_board

Clara_Peeters_-_Cheesestack_with_knife_shrimp_crawfish_glass_of_wine_and_bread

Clara_Peeters_-_Still_life_with_fish_and_cat

1670px-Clara_Peeters_-_Still_Life_with_Crab,_Shrimps_and_Lobster_-_99.308_-_Museum_of_Fine_Arts

PFA51954

do Commons Wikimedia

.

* Clara Peeters (1607-1621) foi uma pintora de naturezas-mortas vinda de Antuérpia e instruída de acordo com a tradição da pintura barroca flamenga. É provável que sua carreira tenha ocorrido majoritariamente nas Províncias Unidas, fazendo portanto parte da pintura do Século de Ouro dos Países Baixos. Muitos aspectos de sua vida ainda são pouco esclarecidos, especialmente os dos períodos posteriores e anteriores ao de 1607 a 1621, do qual suas pinturas datam. Como afirmou Seymour Slive, “Nenhum documento incontestado sobre sua vida apareceu, mas ainda assim há razões para crer que ela foi ativa tanto em Flandres como na Holanda.”

 

Ciúmes: Causas e uma possível cura

por Emma Goldman*

Ninguém em geral é capaz de uma intensa consciência interna, porque a vida sempre necessita de esperança para escapar da angústia mental e do sofrimento. O sofrimento, e muitas vezes o desespero, sobre a chamada característica eterna das coisas são a mais persistente companhia de nossas vidas. Mas eles não surgem em nós do exterior, por meio dos atos malignos de pessoas particularmente más. Eles são condicionados ao nosso próprio ser, de fato, eles estão interligados por meio de mil propostas e grossos fios com a nossa existência.

É absolutamente necessário que nós compreendamos esse fato, porque as pessoas que nunca se livram da noção de que sua desgraça é fruto da maldade dos outros nunca podem superar o ódio mesquinho e a malícia que constantemente acusa, condena e persegue os outros por algo que é inevitavelmente parte de si mesmos. Tais pessoas não irão subir para as alturas sublimes do verdadeiro humanista, para quem o bem e o mal, a moral e a imoral, são, portanto, termos limitados para o conflito interior das emoções humanas no mar da vida humana.

O filósofo “além do bem e do mal”, Nietzsche, é atualmente denunciado como criador de um ódio nacional e uma destruição metralhadora. Mas apenas maus leitores e maus alunes o interpretam desta forma. “Além do bem e do mal” significa além do Ministério Público, além de fazer julgamentos, além de matar, etc. Além do Bem e do Mal se abre diante dos nossos olhos como uma visão do pano de fundo que é a afirmação individual, juntamente com a compreensão de todos aqueles que são o contrário de nós mesmos, que são diferentes.

Por isso eu não me refiro à tentativa desajeitada da democracia de regular as complexidades do caráter humano por meio da igualdade externa. A visão de “além do bem e do mal” aponta para a direita de si mesmo, à própria personalidade. Tais possibilidades não excluem a dor do caos da vida, mas excluem a justiça puritana que se insere no julgamento de todos os outros, exceto de si mesmo.

É autoevidente que a profundidade radical – muitos são superficiais, você sabe – deve aplicar esta profundidade ao reconhecimento humano da relação de amor e sexo. Emoções de amor e sexo estão entre as mais íntimas, intensas e sensíveis expressões do nosso ser. Elas são tão profundamente relacionadas às características físicas e psíquicas individuais como um carimbo em cada caso de amor como um caso independente, diferente de todos os outros casos de amor. Em outras palavras, cada amor é resultado das impressões e características que duas pessoas envolvidas dão a isso. Toda relação de amor deve, por sua própria natureza, permanecer como um caso absolutamente privado. Nem mesmo o Estado, a Igreja, a moralidade ou as pessoas devem mediar isso.
Infelizmente esse não é o caso. A mais íntima relação é submetida a proscrições, regulamentos e coerções; porém, esses fatores externos são absolutamente estranhos ao amor, e leva a eternas contradições e conflitos entre o amor e a lei.

O resultado disso é que nossa vida amorosa está imersa em corrupção e degradação. O “amor puro”, tão aclamado pelos poetas, é, no atual matrimônio, divórcio e disputas alienadas, um espécime raro. Com dinheiro, status social, e posição como critérios para o amor, a prostituição é quase inevitável, ainda que seja coberta pelo manto da legitimidade e da moralidade.

O mais permanente demônio da nossa mutilada vida amorosa é o ciúme, frequentemente descrito como “monstro de olhos verdes”, que mente, engana, trai e mata. O senso comum é de que o ciúme é inato e, portanto, nunca poderá ser erradicado do coração humano. Essa ideia é uma desculpa conveniente para aqueles que não têm capacidade ou vontade para mergulhar dentro das causas e efeitos.

A angústia sobre um amor perdido, sobre o fio quebrado da continuidade do amor é, de fato, inerente ao nosso ser. O sofrimento emocional tem inspirado muitas letras sublimes, com olhares muito profundos e exaltação poética de Byron, Shelley, Heine e outros. Mas será que é possível comparar esta tristeza com o que comumente acontece no ciúme? Eles são tão diferentes como a sabedoria e a estupidez. Como o refinamento e a rudeza. Dignidade e coerção brutal. O ciúme é o oposto da compreensão, da simpatia, e dos sentimentos generosos. O ciúme nunca adicionou algo ao caráter, nunca fez o indivíduo grande e bom. O que ele realmente faz é torná-lo cego com fúria, mesquinho com suspeita, e duro de inveja.

Ciúme, as contorções que vemos nas tragédias e comédias matrimoniais, são invariáveis por um lado, intolerantemente acusadoras, convencidas da sua própria justiça e da maldade, crueldade e culpa da sua vítima. O ciúme nem mesmo tenta compreender. Seu único desejo é punir, e punir tão severamente quanto possível. Essa noção é incorporada ao código de honra, como representada em um duelo ou em uma lei não escrita. Um código que vai considerar que a sedução de uma mulher deve ser punida com a morte do(a) sedutor(a). Mesmo onde a sedução não tomou lugar, onde ambos voluntariamente cederam ao desejo mais íntimo, a honra só é restaurada quando o sangue é derramado, seja do homem ou da mulher.

O Ciúme é obcecado pelo sentimento de possessão e vingança. Isto está de acordo com todas as outras leis de punição nos estatutos que ainda aderem à barbára noção de que uma ofensa, muitas vezes meramente resulta de injustiças sociais, e devem ser adequadamente punidas ou vingadas.

Um argumento muito forte contra o ciúme pode ser encontrado nos dados de historiadores como Morgan, Reclus e outros, sobre as relações sexuais dos povos primitivos. Qualquer um que esteja familiarizado com suas obras sabe que a monogamia é uma forma de sexo que surgiu muito mais tarde, como resultado da domesticação e da propriedade das mulheres, e que criou o monopólio do sexo e o inevitável sentimento de ciúme.

No passado, quando homens e mulheres se misturaram livremente sem a interferência da lei e da moralidade, não poderia existir ciúme, porque este repousa sobre a suposição de que certo homem tem o monopólio exclusivo sobre o sexo de determinada mulher e vice-versa. No momento em que ninguém visa transgredir este preceito sagrado, o ciúme está em pé de guerra. Sob tais circunstâncias, é ridículo dizer que o ciúme é perfeitamente natural. Fatidicamente, se trata de um resultado artificial de uma causa artificial, nada mais.

Infelizmente não são apenas os casamentos conservadores que são afetados pelo ciúme com a noção de monopólio sexual; as chamadas uniões livres também são vítimas dele. O argumento provavelmente levantado é que isto é mais uma prova de que o ciúme é um traço inato. Mas é preciso ter em mente que o monopólio sexual tem sido transmitido de geração em geração como um direito sagrado e como a base da pureza da família e do lar. E assim como a Igreja e o Estado aceitam o monopólio sexual como a única segurança para o vinculo matrimonial, eles têm justificado o ciúmes como uma arma legítima de defesa para a proteção do direito de propriedade.

Agora, se é verdade que um grande número de pessoas superou a legalidade do monopólio do sexo, eles não superaram as suas tradições e hábitos. Por isso, eles se tornaram tão cegos pelo “monstro de olhos verdes” quanto seus/suas vizinhes conservadores no momento os seus bens estão em jogo.

Um homem ou uma mulher livre e grande o suficiente para não interferir ou inquietar-se sobre as outras atrações da pessoa amada são com certeza desprezados por seus/suas amigos conservadores, e ridicularizados por seus/suas amigos radicais. Ele também será acusado de ser um degenerado ou um covarde; e frequentemente alguns motivos materiais mesquinhos serão imputados a ele. De qualquer forma, esses homens e mulheres serão alvo de fofocas ou piadas grosseiras ou imundas por nenhuma outra razão além do fato deles admitirem ao marido, esposa ou amantes o direito de seus próprios corpos e sua expressão emocional, sem fazer cenas de ciúmes ou ameaças selvagens para matar o intruso.

Há outros fatores no ciúme: o conceito do macho e da inveja do feminino. O macho em matéria sexual é um impostor, um fanfarrão, que sempre se orgulha de suas façanhas e do sucesso com as mulheres. Ele insiste em desempenhar o papel de um conquistador, já que ele foi informado de que as mulheres querem ser conquistados, e que elas gostam de ser seduzidas. Sentindo-se o único galo do curral, ou o touro que deve confrontar com seus chifres a fim de ganhar a vaca, ele se sente mortalmente ferido na sua vaidade e arrogância no momento em que um rival entra em cena – a cena, mesmo entre os chamados homens refinados, continua a ser o amor sexual da mulher, que deve pertencer a apenas um mestre.

Em outras palavras, o monopólio do sexo em perigo, juntamente com a vaidade do homem ultrajado, em 99 em cada cem casos são os antecedentes do ciúme.

No caso de uma mulher, o medo econômico por si mesma e pelas crianças e sua inveja mesquinha de todas as outras mulheres que ganham graça aos olhos do seu defensor, invariavelmente, criam ciúme. Em justiça, foi dito para as mulheres durante os séculos passados, que a atração física era seu único estoque na negociação, portanto, ela deve se tornar necessariamente invejosa do charme e do valor de outras mulheres como uma ameaça ao seu poder sobre sua propriedade preciosa.

O aspecto grotesco de toda a questão é que os homens e as mulheres geralmente criam uma inveja violenta daqueles que realmente não se importam muito sobre isso. Portanto, não é o seu amor ultrajado, mas a sua vaidade e inveja indignada que clamam contra esse “terrível erro”. É provável que a mulher nunca amou o homem de quem ela agora suspeita e espiona. Provavelmente ela nunca fez um esforço para manter o seu amor. Mas no momento em que um concorrente chega, ela começa a valorizar sua propriedade sexual para defendê-la de forma que nenhum meio é muito desprezível ou cruel.

Obviamente, então, o ciúme não é o resultado do amor. Na verdade, se fosse possível investigar mais casos de ciúmes, provavelmente descobririam que quanto mais violento e desprezível é o seu ciúme, menos as pessoas estão imbuídas de um grande amor. Duas pessoas vinculadas por harmonia interior e unidade não têm medo de prejudicar a sua confiança mútua e segurança, se um ou outro tem atrações externas, nem iram terminar seu relacionamento em inimizade vil, como é muitas vezes o caso de muitas pessoas. Muitos deles não são capazes, nem deve de se esperar, de incluir a escolha da pessoa amada na intimidade de suas vidas, mas isso não os dá qualquer direito de negar a necessidade da atração.

Assim como eu discutirei variedade e monogamia duas semanas a partir de hoje a noite, não me deterei nisso, nem aqui, exceto para dizer que olhar as pessoas que podem amar mais de uma pessoa de forma tão perversa ou anormal é ser muito ignorante mesmo. Eu já discuti uma série de causas para o ciúme, a qual devo acrescentar a instituição do casamento que o Estado e a Igreja proclamam como “o vínculo até a morte”. Isso é aceito como o ético modo correto de vida e a ação correta.

Com amor, em todas a sua variabilidade e mutabilidade, acorrentadas e apertadas, é uma pequena maravilha se o ciúme surge fora dele. Que outra coisa senão mesquinhez, avareza, suspeita e rancor pode surgir quando um homem e uma mulher são oficialmente mantidos juntos com a fórmula “a partir de agora vocês são um em corpo e espírito.” Basta manter qualquer casal amarrado de tal maneira, dependentes um dos outros para cada pensamento e sentimento, sem um interesse ou desejo externo, e se perguntar se tal relação não deve tornar-se odiosa e insuportável com o tempo.

De uma forma ou outra os grilhões são quebrados, e como as circunstâncias que permitem fazê-lo são geralmente baixas e degradantes, não é de surpreender que eles coloquem em jogo os mais deteriorados e malvados traços e motivos humanos.

Em outras palavras, a interferência legal, religiosa e moral são os pais do nosso atual amor e vida sexual não naturais, e fora disso o ciúme cresceu. Esse é o chicote que açoita e tortura os pobres mortais por causa de sua estupidez, ignorância e preconceito.

Mas ninguém precisa tentar justificar-se em terra por ser uma vítima destas condições. É bem verdade que todos nós inteligentes estamos sob os fardos dos arranjos sociais injustos, sob coerção e cegueira moral. Mas não somos indivíduos conscientes, cujo objetivo é trazer a verdade e a justiça aos assuntos humanos? A teoria de que o homem é um produto de condições levou apenas à indiferença e a um fraco consenso sobre essas condições. Ainda que todos saibam que a adaptação a um modo de vida não saudável e injusto só fortalece a ambos, enquanto o homem, o chamado “coroa de toda a criação”, equipado com uma capacidade de pensar e ver e acima de tudo para empregar os seus poderes de iniciativa, cresce cada vez mais fraco, mais passivo, mais fatalista.

Não há nada mais terrível e fatal do que escavar dentro das vísceras de um de seus entes queridos e de si mesmo. Isso só pode ajudar a rasgar os fiapos de afeto que ainda são inerentes à relação e, finalmente, trazer-nos até a última trincheira, que tenta combater o ciúme, ou seja, a aniquilação do amor, amizade e respeito.

O ciúme é realmente um meio pobre para proteger o amor, mas é um meio seguro para destruir o autorrespeito. Para pessoas ciumentas, como “drogas-demônios”, rebaixa ao nível mais baixo e, no final, inspira apenas desgosto e repugnância.

A angústia pela perda de um amor ou por um amor não correspondido entre as pessoas que são capazes de pensamentos elevados e finos jamais fará uma pessoa se tornar rude. Aqueles que são sensíveis e finos apenas devem perguntar-se se podem tolerar qualquer tipo de relação obrigatória, e um enfático “não” seria a resposta. Mas a maioria das pessoas continua a viver próximas uma das outras, apesar de terem a muito tempo deixado de viverem umas com as outras – uma vida fértil o suficiente para a operação do ciúme, cujos métodos percorrem todo o caminho desde abrir a correspondência privada até o assassinato. Comparado com tais horrores, adultério aberto parece um ato de coragem e libertação.

Um escudo forte contra a vulgaridade do ciúme é que o homem e a mulher não são um só em corpo e espírito. Eles são dois seres humanos, com temperamentos diferentes, sentimentos e emoções. Cada um é um cosmos pequeno em si mesmo, absorto em seus próprios pensamentos e ideias. Isso é glorioso e poético se estes dois mundos se encontram em liberdade e igualdade. Mesmo que isso dure pouco tempo, já valerá à pena. Mas, no momento em que os dois mundos são forçados a ficar juntos, toda a beleza e o perfume cessam e nada mais que folhas mortas permanecem. Quem compreende esta obviedade irá considerar o ciúme como algo abaixo de si e não permitirá que isso seja pendurado como uma espada de Dâmocles sobre ele.

Todos os amantes fazem bem ao deixarem as portas do seu amor aberto. Quando o amor pode ir e vir sem medo de encontrar um cão de guarda, o ciúme raramente irá criar raízes porque ele vai aprender rapidamente que onde não há fechaduras e chaves, não há lugar para a suspeita e desconfiança, dois elementos sobre os quais o ciúme cresce e prospera.

Texto originalmente compartilhado por anarquistas.net neste link

.

*Emma Goldman (1869 — 1940) foi uma anarquista lituana, conhecida por seu ativismo, seus escritos políticos e conferências que reuniam milhares de pessoas nos Estados Unidos. Teve um papel fundamental no desenvolvimento do anarquismo na América do Norte na primeira metade do século XX.

Bons dias! – Crônica 80

por Machado de Assis*

[28 outubro]

BONS DIAS!

Viva a galinha com a sua pevide. Vamos nós vivendo com a nossa polícia. Não será superior, mas também não é inferior à polícia de Londres, que ainda não pôde descobrir o assassino e estripador de mulheres. E dizem que é a primeira do universo. O assassino, para maior ludibrio da autoridade, mandou-lhe cartões pelo correio.

Eu, desde algum tempo, ando com vontade de propor que aposentemos a Inglaterra… Digo, aposentá-la nos nossos discursos e citações. Neste particular, tivemos a princípio a mania francesa e revolucionária; folheiem os Anais da Constituinte, e verão. Mais tarde ficou a França constitucional e a Inglaterra: os nomes de Pitt, Russel. Canning, Bolingbrook, mais ou menos intactos, caíram da tribuna parlamentar. E frases e máximas! Até 1879, ouvi proclamar cento e dezenove vezes este aforismo inglês: “A Câmara dos Comuns pode tudo, menos fazer de um homem uma mulher, ou vice-versa.

“Justamente o que a nossa Câmara faz, quando quer”, dizia eu comigo.

Pois bem, aposentemos agora a Inglaterra; adotemos a Itália. Basta advertir que, há pouco tempo, lá estiveram (ou ainda estão) vinte e tantos deputados metidos em enxovia, só por serem irlandeses. Nenhum dos nossos deputados é irlandês; mas se algum vier a sê-lo, juro que será mais bem tratado. E, comparando tanta polícia para pegar deputados com tão pouca para descobrir um estripador de mulheres, folgazão e científico, a conclusão não pode ser senão a do começo: — Viva a galinha com a sua pevide…

Aqui interrompe-me o leitor: — Já vejo que é nativista! E eu respondo que não sei bem o que sou o mesmo me disseram anteontem, falando-se do projeto do meu ilustre amigo senador Taunay. Como eu dissesse que não aceitava o projeto, integralmente, alguém tentou persuadir-me que eu era nativista. Ao que respondi:

— Não sei bem o que sou. Se nativista é algum bicho feio, paciência; mas, se quer dizer exclusivista, não é comigo.

Não se pode negar que o Sr. Senador Taunay tem o seu lugar marcado no movimento imigracionista, e lugar iminente; trabalha, fala, escreve, dedica-se de coração, fundou uma sociedade, e luta por algumas grandes reformas.

Entretanto, a gente pode admirá-lo e estimá-lo, sem achar que este último projeto seja inteiramente bom. Uma coisa boa que lá está. é a grande naturalização. Não sei se ando certo, atribuindo àquela palavra o direito do naturalizado a todos os cargos públicos. Pois, senhor, acho acertado. Com efeito, se o homem é brasileiro e apto, por que não será para tudo aquilo que podem ser outros brasileiros aptos?

Quem não concordará comigo (para só falar de mortos), que é muito melhor ter como regente, por ser ministro do império, um Guizot ou um Palmerston, do que um ex-ministro (Deus lhe fale na alma!) que não tinha este olho?

Mas o projeto traz outras cousas que bolem comigo, e até uma que bole com o próprio autor. Este faz propaganda contra os chins; mas, não havendo meio legal de impedir que eles entrem no império aqui temos nós os chins, em vez de instrumentos de trabalho, constituídos em milhares de cidadãos brasileiros, no fim de dous anos, ou até de um. Excluí-los da lei é impossível. Ai fica uma conseqüência desagradável para o meu ilustre amigo.

Outra conseqüência. O digno Senador Tannay deseja a imigração em larga escala. Prefeitamente. Mas, se o imigrante souber que, ao cabo de dous anos, e em certos casos ao fim de um, fica brasileiro à força, há de refletir um pouco e pode não vir. No momento de deixar a pátria, ninguém pensa em trocá-la por outra; todos saem para arranjar a vida.

Em suma,—e é o principal defeito que lhe acho,—este projeto afirma de um modo estupendo a onipotência do Estado. Escancarar as portas, sorrindo, para que o estranho entre, é bom e necessário; mas mandá-lo pegar por dous sujeitos, metê-lo a força dentro de casa para almoçar, não podendo ele recusar a fineza senão jurando que tem outro almoço à sua espera, não é coisa que se pareça com liberdade individual.

Bem sei que ele tem aqui um modo de continuar estrangeiro: é correr, no fim do prazo, ao seu consulado ou à Câmara Municipal, declarar que não quer ser brasileiro, e receber um atestado disso. Mas, para que complicar a vida de milhares de pessoas que trabalham, com semelhante formalidade? Além do aborrecimento, há vexame: — vexame para eles e para nós. se o número dos recusantes for excessivo. Haverá também um certo número de brasileiros por descuido, por se terem esquecido de ir a tempo cumprir a obrigação legal. Esses não terão grande amor à terra que os não viu nascer. Lá diz São Paulo, que não é circuncisão a que se faz exteriormente na carne, mas a que se faz no coração.

O Sr. Tannay já declarou em brilhante discurso, que o projeto é absolutamente original. Ainda que o não fosse, e que o princípio existisse em outra legislação, era a mesma cousa. O Estado não nasceu no Brasil; nem é aqui que ele adquiriu o gosto de regular a vida toda. A velha república de Esparta, como o ilustre senador sabe, legislou até sobre o penteado das mulheres; e dizem que em Rodes era vedado por lei trazer a barba feita. Se vamos agora dizer a italianos e alemães, que, no fim de um ou dous anos. não são mais alemães nem italianos, ou só poderão sê-lo com declaração escrita e passaporte no bolso, parece-me isto muito pior que a legislação de Rodes.

Desagravar a naturalização, facilitá-la e honrá-la, e, mais que tudo tornar atraente o país por meio de boa legislação, reformas largas liberdades efetivas, eis aí como eu começaria o meu discurso no Senado, se os eleitores do Império acabassem de crer que os meus quarenta anos já lá vão, e me incluíssem em todas as listas tríplices. Era assim que eu começaria o discurso. Como acabaria, não sei; talvez nos braços do meu ilustre amigo.

Boas noites.

.

Joaquim Maria Machado de Assis (1839 – 1908) foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época.

“Bons dias!” são crônicas  de Machado de Assis publicadas na Gazeta de Notícias, do Rio de Janeiro, com um pseudônimo que fez com que não fossem reconhecidas como de sua autoria até a década de 1950.

Natureza-morta de Alfrida Baadsgaard

por Alfrida Baadsgaard*

Alfrida Baadsgaard1
Forest Floor with Summer Flowers, 1880

 

Alfrida Baadsgaard2
Still Life with Lemon, Berries and Bottle, 1887
Alfrida Baadsgaard3
Still Life with Hyacinths and Butterfly, 1898
Alfrida Baadsgaard4
Still Life with Tropical Fruits, 1898
Alfrida Baadsgaard5
Still Life with Garfish, Mackerel and Edible Crabs, s.d.
Alfrida Baadsgaard6
A Wreath of White Roses, s.d.
Alfrida Baadsgaard7
Fruit Still Life with Oranges, Pineapple, Flox and Chianti Bottle, s.d.
Alfrida Baadsgaard8
Flowers in the Forest Floor, s.d.

Alfrida Baadsgaard9

veja post em Female Artists in History

.

* Alfrida Baadsgaard, nascida Ludovica Alfrida Vilhelmine Madsen (ou Breinholt?) (1839 – 1912 ) foi uma escritora e pintora de flores dinamarquesa. Alfrida Baadsgaard tinha muitos artistas em sua família, incluindo Vilhelm Petersen e Karl Madsen.

Prólogo de Aventura de Diófanes

por Teresa Margarida da Silva e Orta*

Leitor prudente, bem sei que dirás ser o melhor método não dar satisfações; mas tenho razão particular, que me obriga a dizer-te, que não culpes a confiança de que me revisto, para nele basta que o natural instinto observe os preceitos da razão, para satisfazer ao ardente desejo, com que procuro infundir nos ânimos daqueles, por quem devo responder, o amor da honra, o horror da culpa, a inclinação às ciências, o perdoar a inimigos, a compaixão da pobreza, e a constância nos trabalhos, porque foi só este o fim, que me obrigou a desprezar as vozes, com que o receio me advertia a própria incapacidade; e como em toda a matéria pertence aos sábios advertir imperfeições, quando reparares em erros, que desfigurem esta obra, lembre-te que é de mulher, Que nas tristes sombras da importância suspira por advertir a algumas a gravidade de Estratônica, a constância de Zenóbia, a castidade de Hipona, a fidelidade de Polixena, e a ciência de Cornélia. Também é certo, que para pintar Majestades me faltam os pincéis de Apeles, e não tenho a pena de Homero; mas como sou estrangeira, tenho visto bastante para poder contemplar soberanas propriedades, assentando em que não há vapores tão elevados, que possam formar sombras na grandeza do Olimpo. Se esta empresa não produzir efeito correspondente ao meu desejo, já me tem pago o trabalho, pois a tomei, como remédio para divertir cuidados, que principiavam a debilitar-me o sofrimento com todo o gênero de contratempos; pelo que foi preciso que a memória contradissesse a vontade, que de melancólicas apreensões se alimentava; e seguindo cegamente o partido da confiança, chegou a entrar em alheios domínios: e assim se neste pequeno livro achares cousa, que te contente, não entendas que são adoções, pois confesso que da pequena esfera deste entendimento só nasce o inútil, e quando mais, o indiferente; e ainda que me lembro de que pelo muito que Fálaris considerou no ajustado de suas cartas, não as pode escurecer a sua maldade, pois tinham estimação em todo o Mundo, em me não embaraço em considerar ser mal desempenhada a imitação dos que dão à estampa os seus escritos, pois não tenho mais tempo, que para refletir no alívio, que recebo, discorrendo em trabalhos, que aos meus excedem, quando se me representa a maior grandeza na grandeza abatida; a formosura sem indecentes adornos, adornada de virtudes; o sábio virtuoso, que entre os inimigos da verdade não se lhe apoucam as luzes, que conduzem para a glória das Majestades; o prazer dos pais, que chegam a ver bem sazonadas os frutos da boa educação; o horror, com que os justos sabem ver o indigno aspecto da lisonja; e as mudanças do tempo, que sempre vem a dar o seu a seu dono. Para ser sofrível o meu atrevimento, adverte que a morte me há de separar dos meus, e que (só assim) ainda depois de me haver reduzido a alheios desenganos, lhes ficarei advertindo o que lhes convém; e tenho tão disposto o ânimo para sofrer os inimigos desta obra, que já espero a crítica, assim como os valerosos, que têm por maior o trabalho de fugir, que o de esperar; pois me anima o sólido prazer, de que sobre as minhas ignorâncias se formem polidos edifícios com acertadas medidas para se praticarem científicas doutrinas. Acham-se as gentes tão dominadas de paixões
2particulares, que muitas vezes só se estimam as obras para as forças do engenho, e sutileza em destruir as da razão não é vencer os esplendores da verdade. Eu não tenho mais armas, que o meu bom ânimo, e verdadeira sinceridade, e com o maior prazer sofrerei que me repreendam os sábios; mas para tolerar néscios mal intencionados, será preciso refletir, que com instrumentos grosseiros também se apuram os sofrimentos. Mais cruel foi a guerra dos Romanos com os Penos, que a dos Gregos com os Troianos, porque estes pelejaram pela injúria de Helena, e os outros sobre qual ficaria com o senhorio do Mundo; porque faz maior estrago a inimizade que nasce de paixões desordenadas, que aquelas, a que as ofensas dão causa, porque estas cura o temor de Deus com o tempo, e a vil emulação raras vezes se descuida. Um dos defeitos, que alguns acharão nesta obra, será a idéia fantástica, podendo aplicar-se o mesmo tempo à história verdadeira; ao que respondo, que me persuadiram os Espanhóis, Franceses, e Italianos, que entendem ser este método o que produz melhor efeito, e como de Grego não sei cousa alguma, e as mais línguas pouco melhor as entendo, por não mendigar notícias antigas, nem me arriscar mentir errando, me resolvi a seguir o caminho desta idéia, em que são os eventos, e objetos fantásticos, mas não o essencial, que conduz para o melhor fim; pelo que não me achaquem mais culpas, que o consentir na tentação de uma demasiada curiosidade; porque ainda que a minha debilidade, engolfando-se em tristezas, resistia a aplicações divertidas, desprezei o descanso, que me afligia, lembrando-me de ser incomparavelmente- te melhor sofrer o mal, que ter idéias para o fazer; e ainda que o justo receio, e o próprio conhecimento me persuadiam a que estes produtos do meu divertimento fossem (como outros) reduzidos a cinzas, o sentir os influxos de uma benigna Estrela, a quem sempre seguirá a minha escravidão, e reverente afeto, me anima a dar ao prelo esta Aventuras de Diófanes. Não estranhes que em uma serrana coubessem soberanos pensamentos, pois sabes que em uma Aldeia nasceu Pirro, que venceu os Epirotas; em outra Cipião, que venceu os Africanos; em outra Otávio, que venceu os Germanos; e em outra Tito, que venceu os palestinos: mas no caso que a enchentes das críticas engrossem tanto, que cheguem a sátiras, nem assim creias que me chegarão à notícia, porque vivo na minha choupana vizinha da Serra da Estrela, aonde não chegam novidades da Corte; mas se houver quem se resolva a maltratar-me, eu lhe respondo com Demétrio, quando lhe perguntou Lâmia, porque estava triste, e não falava? Dizendo: Deixa-me, que eu faço bem o meu ofício, calando, como tu o teu, falando; e se a discrição degenerar, sendo ingrata às intenções desta obra, a infâmia de ser tal terei por satisfação do meu agravo.

Para ler o livro na íntegra, clique aqui

.

*Teresa Margarida da Silva e Orta (1711 – 1793) é considerada a primeira mulher romancista em língua portuguesa. Irmã de Matias Aires, publicou inicialmente sob o pseudônimo de Dorotéia Engrassia Tavareda Dalmira, um anagrama perfeito de seu nome.

A formiga e a cigarra

por Ladislas Starevich*

*Ladislas Starevich (1882 – 1965) foi um cineasta, roteirista, diretor de arte e de fotografia russo radicado na França, um dos pioneiros da animação em stop motion. Costumava utilizar insetos e outros animais como protagonistas de suas histórias.

Bohemias

por Auta de Souza*

A Rosa Monteiro

Quando me vires chorar,
Que sou infeliz não creias;
Eu choro porque no Mar
Nem sempre cantam sereias.

Choro porque, no Infinito,
As estrelas luminosas
Choram o orvalho bendito,
Que faz desabrochar as rosas.

Do lábio o consolo santo
É o riso que vem cantando…
O riso do olhar é o pranto:
Meus olhos riem chorando.

O seio branco da aurora
Derrama orvalhos a flux…
O círio que brilha chora:
A dor também fere a luz?

Teus olhos cheios de ardores
Aninham rosas nas faces…
Que seria dessas flores,
Responde, se não chorasses?

Sou moça e bem sabes que
A moça não tem martírios;
Se chora sempre, é porque
Pretende imitar os lírios.

Enquanto eu viver no mundo,
Meus olhos hão de chorar…
Ah! como é doce o profundo
Soluço eterno do Mar!

Do lábio o consolo santo
É o riso que vem cantando…
O riso do olhar é o pranto:
Meus olhos riem chorando.

Jardim – 8 – 1897

.

* Auta de Souza (1876 – 1901) foi uma poetisa brasileira da segunda geração romântica (ultrarromântica, byroniana ou Mal do Século), autora de Horto. Escrevia poemas românticos com alguma influência simbolista, e de alto valor estético. Segundo Luís da Câmara Cascudo, é “a maior poetisa mística do Brasil”.

Prefácio de: Fascismo, filho dileto da igreja e do capital

por Maria Lacerda de Moura*

Enquanto o homem estiver armado, é um tirano e um covarde. Enquanto não fizer a revolução interior para a realização profunda, ninguém tem o direito de encher a boca com as palavras “revolução social” – porque só pode semear a verdade quem já fez a sua colheita.

Quanto ao mais, palavras lindas e lições aviltantes. Os homens e mulheres “de ideia”, deixam muito a desejar. O pensamento, em absoluta dissonância com as ações.

Só quando o homem realizar um ser superior, tendo abandonado a violência aos impotentes e aos degenerados, aos fracos e aos trogloditas, só então terá direito de exigir dos outros o respeito a sua dignidade de ser humano.

A violência é estéril. Nada cria. É força desordenada, destruidora. Fere ao acaso e gera a violência. Estéril? – Não! É a mãe do Ódio.

Quando o homem souber respeitar o outro homem, sem necessidade da policia ou das leis escritas; quando desaparecer a violência e a autoridade, por imprestáveis, – porque o homem não condenará mais a tirania com o objetivo do assalto ao poder, para se aboletar, gostosamente, no trono do tirano… já não será necessária a revolução social.

Mas, enquanto os “escultores de montanhas” teimarem em obrigar os homens todos a pensar segundo o seu pensamento, a crer no que eles creem, inutilizando, massacrando os sonhos ou o pensamento dos outros – para assegurar o predomínio das suas verdades – prendendo, exilando, fuzilando ou mutilando os corpos e as consciências dos que pensam de maneira diversa: – as guerras e as revoluções sociais, uma após outras, hão de ensanguentar a terra, inutilmente, perversamente, degenerando, enlouquecendo a todo o gênero humano. Isso será até o suicídio coletivo da humanidade, através da técnica moderna da ciência – a serviço do canibalismo das verdades organizadas.

.

Maria Lacerda de Moura (1887 – 1945) foi uma anarquista brasileira que se notabilizou por seus escritos feministas.