O itinerário de Sisifo

por Antonio Souza* Não lido bem com o tempo. Estou ficando velho e o desperdiço como se fosse rico. Para outros a barba grisalha cai bem, não para um negro, não para um pardo. Café amargo. Chegar atrasado e ouvir um interminável sermão, apesar da barba grisalha, me consideram criança. À noite, havia lutado com … Continue lendo O itinerário de Sisifo

Atemporalidade: O racismo e a discriminação étnica nos Estados Unidos

por Laluña Machado* Desde o período escravista e a época colonial que perdurou até 1776, os EUA “enfrenta” a questão racial e discriminação étnica em seu território. Os traços de sua história (e de muitos outros países) mostram uma supremacia branca dotada de privilégios e direitos legais ou sancionados exclusivamente. Nativos americanos, asiático-americanos, afro-americanos, latinos, judeus, … Continue lendo Atemporalidade: O racismo e a discriminação étnica nos Estados Unidos

Alma não tem cor: uma falsa medida do homem

por Carla Lisboa* Passadas as “comemorações” sobre o dia em que foi assinada a Lei Áurea, que extingue a escravidão no país (mas não a mentalidade escravista), tudo volta ao “normal”: violência e/ou discriminação racial, racismo, silenciamento, necropolítica... você escolhe, o repertório é vasto. Tudo acaba em extermínio, em invisibilidade social, em uma memória apagada, … Continue lendo Alma não tem cor: uma falsa medida do homem

Mas ele diz que me ama – graphic novel de uma relação violenta

por Roberta AR Uma das coisas mais difíceis para quem está num relacionamento afetivo é admitir que vive uma relação abusiva. Para as mulheres isso é ainda mais complicado, pois somos educadas a encarar a brutalidade dos parceiros como um tipo de amor. Por esses dias, rodou nas redes sociais a foto de uma menina … Continue lendo Mas ele diz que me ama – graphic novel de uma relação violenta

Vamos falar de zines

por Roberta AR Eu sou da geração pré internet, um tempo que parece um universo paralelo ao que vivemos hoje. Uma coisa que me incomodava bastante naquele tempo (antes da internet) era a ideia bastante difundida por quem trabalhava com produção cultural de diversas áreas de que era impossível para qualquer um fazer um livro, … Continue lendo Vamos falar de zines

Facada 69 – Mancala (Boardgames)

Hoje você conhece um jogo dos primórdios da civilização! Mancala pode ser jogado com um tabuleiro ou mesmo com simples buracos no chão e pedrinhas!

Escritoras brasileiras em domínio público

por Roberta AR A literatura brasileira está entre as artes nacionais mais respeitadas em todo o mundo. Na escola, aprendemos que temos grandes nomes em todos os movimentos literários, mas só não vemos exclusivamente homens quando se fala de produções mais recentes, como se não houvessem romances escritos por mulheres no final do século XIX … Continue lendo Escritoras brasileiras em domínio público

Facada 68 – O Pequeno Príncipe (boardgame)

O Pequeno Príncipe é um jogo em que você pontua pelas figuras que consegue trazer para seu planeta... e a grande sacada do jogo é a forma em que as peças são selecionadas! Cada jogador escolhe o próximo a sortear a "tile" e o último será o primeiro da rodada seguinte! Estratégico na medida certa!

Pinturas de Jeanne Hébuterne

por Jeanne Hébuterne*                   * Jeanne Hébuterne (1898 — 1920) foi uma pintora francesa que faz parte do grupo de pintores parisienses de Montparnasse, na década de 1920.   veja post em Female Artists in History saiba o que é Female Artists in History aqui

Facada 67 – No, Thanks! (Boardgames)

Esse é um jogo quase despretensioso, mas que pode ser bastante estratégico na mesa certa. Regras fáceis e boa interação entre os jogadores! Jogo também muito bom para famílias com crianças! Ah... e um detalhe que pensei ter explicado... e não o fiz! A mesa pode definir quantas rodadas são feitas para definir o placar. … Continue lendo Facada 67 – No, Thanks! (Boardgames)

Facada 66 – Rory’s Story Cubes (Boardgames)

Conheça Rory's Story Cubes, um jogo de contação de histórias, com regras simples e extremamente divertido para crianças! E o melhor: as caixinhas são fáceis de serem encontradas... e em preços bem acessíveis!

Distopia pra quem? 100 anos de Asimov, robótica e questões raciais

por Juh Oliveira* Após a leitura de algumas obras de distopia, de obras e influências de Asimov, principalmente quanto à robótica, e também da obra “O mal estar na civilização”, de Freud, tenho algumas considerações pessoais que podem nos levar a outras óticas sobre o que tememos sobre o futuro. Quero refletir com vocês sobre … Continue lendo Distopia pra quem? 100 anos de Asimov, robótica e questões raciais

Facada apresenta Dany, Jaipur e Arraial (Boardgames)

Estamos de volta!!! E, para começar vamos apresentar três jogos inéditos no Brasil! São achados da loja Zacatrus!, de Sevilha!