O Facada e suas publicações de domínio público

por Roberta AR

O Facada X foi criado para ser um espaço de livre difusão, quando a internet se tornou um lugar de trocas de fácil acesso. Um dos ideais é o do conteúdo de qualidade sem custo, por isso é um zine eletrônico com licença Creative Commons. Em certo momento, decidimos começar a publicar filmes, livros, fotos, reproduções de pinturas e outras coisas que caíram em domínio público. Nosso acervo é muito extenso, textos políticos, filmes do expressionismo alemão, romances de escritoras brasileiras são algumas das coisas que colocamos no ar.

Neste espírito da troca e da divulgação, reproduzimos conteúdos de vários lugares, um deles é a página que divulga mulheres pintoras já falecidas (nem tudo de domínio público) Female artists in history, reproduzimos alguns de seus posts por aqui e neste link fizemos uma pequena entrevista com sua criadora e contamos um pouco a história desse espaço.

Como o acesso público a conteúdos tem sido uma bandeira nossa, fizemos também um episódio do nosso podcast de vida curta sobre isso: Facada Cast 004 – Tá dominado! Tá tudo dominado! Falaremos sobre nosso podcast e nosso videocast em outro post.

Aqui, listamos o que temos de domínio público no ar, por nome do autor:

Abigail de Andrade

Adelaide Schloenbach Blumenschein

Adelina Lopes Vieira

AF Schmidt

Alberto Caeiro

Albertus Seba

Aleister Crowley

Alexis de Tocqueville

Alfred Le Petit

Alfrida Baadsgaard

Alida Withoos

Alphonsus de Guimaraens

Álvares de Azevedo

Álvaro de Campos

Andreas Vesalius

Andrei Rublev

Angelo Agostini

Anita Clara Rée

Anna Althea Hills

Anna Ancher

Anna Atkins

Anna Diriks

Anna Maria van Schurman

Anne Allen

Anne Vallayer-Coster

Anthonore Christensen

Antoine Saint-Exupery

Antoine Watteau

Anton Tchekhov

Artemisia Gentileschi

Artur Azevedo

Artur Rimbaud

Auguste Bouquet

Auta de Souza

Barbara Longhi

Bartolomeo Scappi

Beatrix Potter

Benedikt Lergetporer

Bernardo Guimarães

Bernardo Soares

Bertha Worms

Betty Boop

Bocage

Broncia Koller-Pinell

Camille Claudel

Caravaggio

Carl Friedrich Mylius

Carl Wilhelm Hahn

Carmen Dolores

Castro Alves

Cecil Hepworth

Charles Baudelaire

Charles Chaplin

Charles Deburau

Chiquinha Gonzaga

Cimabue

Clara Peeters

Clara Zetkin

Clarissa Peters Russell

Coleção Brito Alves

Coleção Thereza Christina Maria

Dante Alighieri

Délia

Delminda Silveira

Eça de Queirós

Edgar Allan Poe

Edvard Munch

Elisabeth Keyser

Élisabeth Sophie Chéron

Eloise Harriet Stannard

Emília Moncorvo Bandeira de Melo

Emma Goldman

Ernst Moerman

Éros Academie

Errico Malatesta

F. W. Murnau

Fernando Pessoa

Fiódor Dostoiévski

Fleischer & Famous

Florbela Espanca

Francisca Júlia da Silva

Francisco Goya

Francis Masson

François Chauveau

Frank R. Strayer

Franz Kafka

Fratelli Alinari

Friederich Engels

Friedrich Nietzsche

G. Bodenehr

G. Gaillard

Gabriela Frederica de Andrada Dias Mesquita

Gautier D’Agoty 

Gaslight (filme de 1940)

Gebroeders van Limburg

Georg Lukács

George Ripley

Georges Méliès

Gerda Wegener

Gertrude Käsebier

Gertrude Stein

Giacomo Franco

Giuseppe Arcimboldo

Gregório de Matos

Grupo Krisis

Guilherme Gaensly

Guilliame Sicard

Gustav Klimt

Hale Asaf

Hans Staden

Harriet Brims

Helen Allingham

Henriëtte Ronner-Knip

Henry Charles Andrews

Herman Goethe

Hieronymus Bosch

Hilma af Klint

Hipólito José da Costa

Hiroshige

Humberto Mauro

Ida Gisiko-Spärck

Ike no Taiga

Imogen Cunningham

Imperador Huizong

Irmãos Lumière

Isadore Sparber

James Joyce

Jean Baptiste Debret

Jean-Jacques Rousseau

Jeanne Hébuterne

JF Hennig

JF Naumann

Johan F. L. Dreier

Johann Friedrich Wilhelm Herbst

John Gould

John Tenniel

Juan Eusebio Nieremberg

Juana Romani

Judith Leyster

Jules-Adolphe Chauvet

Júlia da Costa

Júlia Lopes de Almeida

Julia Margaret Cameron

Julie de Graag

Karl Marx

Kate Greenaway

Käthe Kollwitz

L. Schmidt

Ladislas Starevich

Laura Muntz Lyall

Lavinia Fontana

Leni Riefenstahl

Leon Dabo

Léon Spilliaert

Lewis Carroll

Lima Barreto

Little Tich

Louis Agassiz Fuertes

Louise Michel

Lucie Cousturier

Luigi Fabbri

Machado de Assis

Magdalena van de Passe

Marc Ferrez

Margaret Bourke-White

Margaret Macdonald Mackintosh

Maria Firmina dos Reis

Maria Lacerda de Moura

Maria Sibylla Merian

Marianne North

Marianne von Werefkin

Mário de Andrade

Mário Peixoto

Matias Aires

Matilde Malenchini

Merrie Melodies

Mia Arnesby Brown

Mikalojus Čiurlionis

Mikhail Bakunin

Napoleon Sarony

Narcisa Amália

Nicolau Maquiavel

Nísia Floresta

Olga Boznańska

Oscar Wilde

Otis Turner

Pat Sullivan

Paul Gauguin

Paul Klee

Paul Legrand

Paula Modersohn-Becker

Percy Stow

Philipp Baum

Pierre-Joseph Proudhon

Pieter Bruegel

Pieter Cramer

Piotr  Kropotkin

Plautilla Nelli

Pseudo-Callisthenes

Ramón de la Sagra

Raphael Tuck & Sons

Ricardo Reis

Robert Louis Stevenson

Robert Wiene

Sacher-Masoch

Séraphine Louis

Serguei Eisenstein

Shunkōsai Hokushū

Sofonisba Anguissola

Stephen Thompson

Suor Isabella Piccini

Teresa Margarida da Silva e Orta

Thomas Edison

Toulouse Lautrec

Toni Gürke

Utagawa Kuniyoshi

Utagawa Toyokuni

Van Beuren Studios

Van Gogh

Vera Willoughby 

Visconde de Taunay

Vittotio Putti

Vladimir Maiakovski

Voltairine de Cleyre

Walter Benjamin

William Blake

William Cheselden

Winsor McCay

Reflexões sobre a vaidade dos homens

por Matias Aires*

PROLOGO

AO LEITOR

Eu que disse mal das vaidades, vim a cahir na de ser Author: verdade he que a mayor parte destas Reflexões escrevi sem ter o pensamento naquella vaidade; houve quem a suscitou, mas confesso que consenti sem repugnancia, e depois quando quiz retroceder, não era tempo, nem conseguir o ser Anonymo. Foy preciso por o meu nome neste livro, e assim fiquey sem poder negar a minha vaidade. A confissão da culpa costuma fazer menor a pena.

Não he só nesta parte em que sou reprehensi-vel: he pequeno este volume, mas pode servir de campo largo a huma censura dilatada. Huns hão de dizer que o estylo oratorio, e cheyo de figuras, era improprio na materia; outros haõ de achar que as descripções, com que às vezes me afasto do sujeito, eraõ naturaes em verso, e não em prosa; outros diraõ, que os conceitos naõ saõ justos, e que alguns já foraõ ditos; finalmente outros haõ de reparar, que affectei nas expressões alguns termos desusados, e estrangeiros. Bem sey que contra o que eu disse, há muito que dizer; mas he taõ natural nos homens a defesa, que naõ posso passar sem advertir, que se os conceitos neste livro naõ saõ justos, he porque em certo genero de discursos, estes naõ se devem tomar rigorosamente pelo que as palavras soaõ, nem em toda a extensaõ, ou significação delias. Se os mesmos conceitos se achaõ ditos, que haverá que nunca o fosse? E além disto os primeiros principios, ou as primeiras verdades, saõ de todos, nem pertencem mais a quem as disse antes, do que a aquelles que as disseraõ depois. Se o estylo he improprio, tambem póde ponderarse que no modo de escrever, às vezes se encontraõ humas taes imperfeições, que tem naõ sey que gala, e brio: a observancia das regras nem sempre he prova da bondade do livro; muitos escreverão exactamente, e segundo os preceitos da arte, mas nem por isso o que disserão foy mais seguido, ou aprovado: a arte leva comsigo huma especie de rudeza; a formosura attrahe só por si, e naõ pela sua regularidade, desta sabe afastarse a natureza, e entaõ he que se esforça, e produz cousas admiraveis; do fugir das proporções, e das medidas, resulta muitas vezes huma fantasia tosca, e impolida, mas brilhante, e forte. Nada disto presumo se ache aqui; o que disse, foy para mostrar, que ainda em hum estylo improprio se póde achar alguma propriedade feliz e agradável.

Escrevi das vaidades, mais para instrucção minha, que para doutrina dos outros, mais para distinguir as minhas paixões, que para que os outros distingaõ as suas, por isso quiz de alguma forma pintar as vaidades com cores lisonjeiras, e que as fizessem menos horriveis, e sombrias, e por consequencia menos fugitivas da minha lembrança, e do meu conhecimento. Mas se ainda assim fiz mal em formar das minhas Reflexões hum livro, já me naõ posso emendar por esta vez, senaõ com prometter, que naõ hey de fazer outro; e esta promessa entro a cumprir já, porque em virtude delia ficaõ desde logo supprimidas as traduções de Quinto Curcio, e de Lucano. As acções de Alexandre, e Cesar, que esta-vaõ brevemente para sahir à luz no idioma Portu-guez, ficaõ reservadas para serem obras posthumas, e tal vez que entaõ sejaõ bem aceitas; porque os erros facilmente se desculpaõ em favor de hum morto; se bem que pouco vale hum livro, quando para merecer algum suffragio, necessita que primeiro morra o seu Author; e com effeito he certo que então o applauso não procede de justiça, mas vem por compaixão e lastima.

Naõ me obrigo porém a que (vivendo quasi retirado) deixe de occupar o tempo em escrever em outra lingua; e ainda que a vulgar he um the-souro, que contém riqueza immensa para quem se souber servir delia, com tudo naõ sey que fatalidades me tem feito olhar com susto, e desagrado para tudo quanto nasceo comigo; além disto, as letras parece que tem mais fortuna, quando estão separadas do lugar em que nasceraõ; a mudança de linguagem he como huma arvore que se transplanta, não só para fructificar melhor, mas tambem para ter abrigo.

Vale.

(decidimos não fazer a atualização da ortografia e manter como na cópia que conseguimos do livro. clique aqui para ler o livro na íntegra)

.

*Matias Aires Ramos da Silva de Eça (em grafia antiga, Mathias Ayres Ramos da Silva d’Eça) (São Paulo, 27 de março de 1705 — Lisboa 10 de dezembro de 1763) foi um filósofo e escritor de nacionalidade portuguesa nascido no Brasil colônia.